Dunga esfria apelo por Neymar

Treinadores e jogadores pedem astro no Mundial, mas técnico diz que não há espaço para surpresas

Sanches Filho, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2010 | 00h00

Dunga está irredutível. Nem mesmo os cinco gols marcados pelo atacante Neymar na goleada por 8 a 1 sobre o Guarani, anteontem, pela Copa do Brasil, parecem ter sido suficientes para abalar as convicções do treinador da seleção brasileira. Diante dos apelos de jogadores, ex-atletas, treinadores e até da própria estrela santista, Dunga tratou de esfriar os ânimos. De acordo com o técnico, o grupo para a Copa do Mundo será formado com base no trabalho realizado nos últimos três anos.

Depois de garantir a classificação brasileira para o Mundial da África do Sul, o comandante fez questão de enfatizar que o histórico dos atletas na seleção pesará mais na formação da lista final de convocados do que o momento que cada um vive nos clubes. Ao ser indagado se Neymar teria chance de fazer parte do time, Dunga não animou os defensores do garoto. "Eu acho que não existe surpresa. Vocês terão de esperar até maio (a convocação final sai no dia 10)", afirmou, em entrevista exibida no programa Arena Sportv. "É todo um trabalho de três anos e meio, cada um aproveitou as suas oportunidades. Como é que vai haver surpresa? Quem entende de futebol, quem acompanha futebol, sabe que não existe surpresa."

Dunga lembrou que, ao longo dos três anos e meio em que está à frente da equipe, deu oportunidade a vários jogadores. Dessas observações sairão os 23 relacionados. "Respeito o trabalho de vocês (imprensa), mas, se eu for atrás de vocês, a cada domingo eu troco a formação da seleção", afirmou. "A gente convocou 80 jogadores, deu oportunidade para todos e, em cima disso, a gente vai tomar as decisões." A seleção brasileira inicia a preparação para a Copa do Mundo no dia 21 de maio. A estreia brasileira será em 15 de junho, contra a Coreia do Norte.

Apelo da classe. Alguns treinadores mostraram opinião contrária à de Dunga quanto à convocação de Neymar. Para Vanderlei Luxemburgo, hoje no Atlético-MG e que trabalhou com o garoto no ano passado, na Vila Belmiro, Neymar deveria fazer parte do elenco. "Apesar de não o ver preparado para substituir um jogador na final, seria bom ele estar no grupo", explicou. Emerson Leão, atualmente sem clube, tem linha de raciocínio bem parecida. "Não tem essa de idade. Acho que ele deveria estar na equipe", observou.

Normalmente contido sobre o assunto, o técnico do Santos, Dorival Júnior, decidiu se posicionar. "Se o Neymar fosse chamado, ganharíamos um excepcional jogador", aconselhou o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.