Dunga traz Adriano de volta à seleção

Atacante vai estar no grupo que vai encarar Argentina e Chile

Bruno Lousada, RIO, O Estadao de S.Paulo

21 de agosto de 2009 | 00h00

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, deixou claro, na última segunda-feira, que os "baladeiros" não teriam mais vez na seleção brasileira. O gosto pela noite já trouxe muitos prazeres e transtornos para o atacante Adriano, que chegou a admitir, em 2007, excesso no consumo de bebidas alcoólicas. Ontem, no entanto, ganhou um voto de confiança e elogios do técnico Dunga. Vote na enquete: você concorda com o retorno de Adriano à seleção?Foi chamado para defender o Brasil contra Argentina, dia 5 de setembro, em Rosário, e contra o Chile, dia 9, em Salvador, pelas Eliminatórias. "Não é preciso falar da qualidade do Adriano. Ele sempre se comportou bem pela seleção", disse Dunga, ressaltando que o atacante recuperou a alegria de jogar depois da saída conturbada da Inter de Milão. Após o jogo contra o Peru, em Porto Alegre, em 1º de abril - foi sua última partida pela seleção (ficou no banco) -, Adriano não voltou para a Itália e chegou a ser considerado desaparecido. Passou três dias com amigos na Favela Vila Cruzeiro, na zona norte do Rio.Desgastada com a indisciplina do artilheiro, a diretoria da Inter decidiu rescindir o contrato do jogador, que dizia estar infeliz em Milão. O atacante anunciou até que pararia de jogar por tempo indeterminado. Em maio, porém, acertou o retorno para o Flamengo. Com dez gols no Brasileiro, reconquistou a torcida rubro-negra e a admiração de Dunga. "Ele teve problema na volta ao Brasil, passou um tempo sem treinar, mas deu a resposta em campo", afirmou o treinador.Contra a Argentina, Adriano costuma brilhar. O atacante fez, nos acréscimos, o gol de empate na decisão da Copa América de 2004 e o Brasil levou a melhor nos pênaltis. Título garantido. No ano seguinte, na final da Copa das Confederações, fez dois gols na goleada por 4 a 1.Dunga, no entanto, destacou que Adriano não foi chamado pela fama de carrasco da Argentina. "Nos clubes pelos quais jogou e na própria seleção, o Adriano já mostrou que é um problema para qualquer time. Não seria correto convocá-lo apenas por causa do seu histórico contra a Argentina. Ele veio para a seleção por causa do seu momento positivo pelo Flamengo", disse Dunga, que chamou Lucas, do Liverpool, para o lugar de Kleberson, machucado, e manteve o lateral Felipe, do La Coruña.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.