Dupla novata surpreende e avança no Open de Lucerna de Vôlei de Praia

Quintos colocados no Mundial Sub-21 de Vôlei de Areia no ano passado, André Stein e Vinícius Freitas surpreenderam na estreia deles no Circuito Mundial profissional. Nesta quarta-feira, eles venceram dois jogos do qualifying para avançar à chave principal do Open de Lucerna (Suíça), segunda etapa da temporada.

Estadão Conteúdo

13 de maio de 2015 | 15h57

André Stein e Vinícius Freitas, de 20 e 19 anos, respectivamente, estrearam vencendo os israelenses Faiga/Hilman (16/21, 21/19 e 18/16) e os letões Sorokins/Solovejs (21/18, 16/21 e 15/12), em dois jogos de três sets. Assim, se juntam na chave principal a Álvaro Filho e Vitor Felipe, classificados pelo ranking.

Mais experientes, as outras duplas brasileiras ficaram pelo caminho no quali masculino. Bruno e Hevaldo, vice-campeões do Circuito Brasileiro 2014/2015, perderam na estreia para os italianos Cecchini/Martino (26/28, 21/18 e 12/15). A dupla formada pelo medalhista olímpico Márcio Araújo e o garoto Saymon ficou na segunda rodada, derrotada pelos russos Koshkarev/Barsouk (21/19 e 21/16).

MULHERES - No feminino, a chave principal começou nesta quarta-feira. A garota Duda, de 16 anos, estreou a dupla com a ex-modelo Elize Maia perdendo para Borger/Buthe, da Alemanha, por 2 sets a 0 (21/16 e 22/20). Depois, elas se recuperaram vencendo Arvaniti/Tsiartsiani, da Grécia, com parciais de 21/19 e 21/14. Na quinta, fazem mais um jogo pelo Grupo D, contra uma dupla austríaca.

Últimas parceiras de Duda, Lili e Carol Horta agora jogam juntas. Nesta quarta, elas perderam das holandesas Madelein Meppelink e Marleen Van Iersel, por 2 sets a 0 (21/11 e 21/12), e na sequência ganharam de Bonnerova/Hermannova, da República Checa, também em dois sets, com parciais de 21/16 e 27/25. Na quinta, fecham a primeira fase contra uma parceria italiana.

Por ser uma etapa Open, o torneio em Lucerna não conta pontos para o ranking que vai definir os representantes do Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, e por isso não conta com as principais parcerias do País. Estas deverão priorizar as etapas de Grand Slam e Majors. Mas os pontos nos Open podem ajudar as duplas que correm por fora pela vaga olímpica a conseguir classificação para os eventos maiores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.