Dúvidas de Marcos: presença no clássico e aposentadoria

A onda de otimismo pela qual passa o Palmeiras contagia até mesmo o experiente goleiro Marcos. Aos 36 anos, o ídolo palmeirense admitiu ontem que a vinda do técnico Luiz Felipe Scolari é um incentivo para que ele adie o plano de se aposentar no fim da temporada. O técnico deve se apresentar ao clube amanhã, às 11h30, e poderá até ocupar o banco de reservas no clássico contra o Santos, à noite, no Pacaembu - a decisão depende apenas dele.

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2010 | 00h00

"A chegada do Felipão anima não só a mim, mas à torcida e aos outros jogadores. Tenho certeza de que, se acertou com o Palmeiras, está pensando grande", diz o goleiro. "Mas sempre falei que o meu problema não é vontade. Claro que, se estiver bem no início do ano, vou tentar esticar. Se estiver em condição excelente no ano que vem, e com o time que o Palmeiras está tentando montar, vou ficar mais um ano."

Marcos passou por uma artroscopia no joelho durante a intertemporada e ainda não está totalmente recuperado. "A recuperação estava indo bem até ontem (anteontem), quando deu uma inchadinha e tive um retrocesso", afirma o camisa 12. "Amanha (hoje) devo treinar à tarde e depois vamos decidir se dá para ir para o jogo ou não."

A presença do capitão palmeirense será o trunfo alviverde em um clássico que promete ser complicado. Com pouco tempo de treinos táticos e sem esquema definido, o time do auxiliar Murtosa tem pouco entrosamento. "Contra o Santos teremos um pouco de dificuldade, pois os jogadores deles se conhecem mais. Já provaram a qualidade que têm, com grande elenco e um ótimo técnico", elogiou Marcos. "É um dos grandes times do Brasil no momento."

Paciência. Apesar do otimismo no Palmeiras com a chegada de Kléber e Felipão, Marcos admite que os resultados não serão imediatos. "Quando se monta um time de qualidade e se traz um técnico bom, como estamos trazendo, a expectativa da torcida cresce", diz o goleiro. "Pelo planejamento, o que se espera é que a torcida tenha paciência e saiba que o time vai ser montado mesmo a partir do ano que vem." Mesmo assim, evita jogar a toalha no Brasileiro. "Apesar de termos começado mal, o campeonato é longo e, com o time montado, podemos brigar por título."

Contra o Santos, o goleiro sabe que um resultado positivo na casa do rival pode empolgar ainda mais o time neste reinício de campeonato. "A cobrança já começa a partir do primeiro jogo", lembra Marcos. "Mas, com o time atual, dá para bater de frente com qualquer time do Brasil."

Ontem, o atacante Kléber foi liberado pela CBF e está confirmado para o clássico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.