É hora de aprender a jogar fora

Palmeiras visita o líder Grêmio, em Porto Alegre, e tenta melhorar o aproveitamento longe do Palestra Itália

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

26 de julho de 2008 | 00h00

O Palmeiras pretende acabar hoje com o estigma de péssimo visitante no Campeonato Brasileiro. A partir das 16 horas, em Porto Alegre, a ordem é começar a se dar bem nos jogos fora de casa. O problema é o adversário - o líder Grêmio, embalado após a goleada de 7 a 1 sobre o Figueirense em Florianópolis.Com 24 pontos - quatro a menos que os gaúchos -, o Palmeiras só não está mais acima da tabela porque seu desempenho longe do Palestra Itália é horroroso. Se em casa o time tem rendimento de campeão, com 90,5% dos pontos conquistados (seis vitórias e um empate), fora a situação é o contrário e o seu aproveitamento é de rebaixado, com apenas 23,8% - um triunfo, dois empates e quatro derrotas.O elenco está consciente de que precisa melhorar urgentemente esses números para buscar o título brasileiro. Vencer apenas em casa não será suficiente para conquistar a taça. Como comparação, o Cruzeiro campeão brasileiro treinado por Vanderlei Luxemburgo em 2003 teve 63,75% de aproveitamento jogando longe de sua torcida. No ano seguinte, o treinador comandou o vitorioso Santos conquistando 47,8% dos pontos como visitante."Ainda estamos devendo boas apresentações fora", reconheceu Luxemburgo. "Toda regularidade que temos em casa não temos fora. Talvez temos de entrar com uma equipe mais defensiva (contra o Grêmio)", declarou Marcos. "Não podemos tomar tantos gols."A vitória contra o Santos, por 4 a 2, na quinta-feira, deu uma animada nos palmeirenses e eles acreditam na possibilidade de surpreender os líderes da competição. Até agora, ainda não conseguiu uma regularidade no Brasileiro, devido principalmente ao mau desempenho mostrado longe do Palestra. "Temos de melhorar já, não dá mais para esperar", avisou o meia Diego Souza. "Quando perdemos fora, as outras equipes não se distanciaram da gente", consolou-se. "Mas não podemos dar mais brecha."REENCONTRODiego Souza volta hoje ao palco que o consagrou. Foi no Grêmio, no ano passado, que o meia ganhou destaque e chamou a atenção de outros clubes - conquistou o título gaúcho e chegou à final da Libertadores, quando perdeu para o Boca Juniors. "Esse confronto vai ser especial para mim", contou. "Foi lá que eu dei uma levantada na minha carreira, vivi minha melhor fase."Diego Souza será o articulados das jogadas ofensivas do Palmeiras, devido à ausência do suspenso Valdivia, e acredita que a torcida adversária o receberá bem. E já avisou aos companheiros das dificuldades que vão encontrar no lotado Estádio Olímpico. "É difícil jogar lá, eles marcam muito forte", declarou. "Temos de entrar atentos desde o primeiro minuto e também marcar bem, pois senão eles vão ter um volume grande de jogo."Um dos melhores em campo no triunfo sobre o Santos, Diego Souza tem arrancado elogios de Luxemburgo. Ele próprio reconhece que melhorou de rendimento nas últimas rodadas, após um trabalho específico com o preparador físico Antonio Mello na caixa de areia. "Venho crescendo de produção e me empenho bastante", disse. "Estou com mais vontade e me canso menos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.