É inexplicável, dizem meninas do vôlei

A final olímpica do torneio de vôlei feminino dos Jogos de Atenas passou bem perto da seleção brasileira, mas a vaga escapou diante de uma Rússia que lutou até o fim, nesta quinta-feira, no Ginásio da Paz e Amizade do Complexo de Faliro. "Esteve muito perto, muito perto... e nós tivemos a chance", lamentou o técnico José Roberto Guimarães. O Brasil abriu uma vantagem de 2 sets a 0 na partida e ainda esteve na frente no quarto (com a vantagem de 24/19) e no quinto sets. Foram sete match points para fechar, nos dois últimos sets, com erros seguidos nos contra-ataques, para a Rússia vencer a semifinal no tie-break por 18/25, 21/25, 25/22, 28/26 e 16/14. A atacante Gamova fez 32 pontos.Mari, que colocou a última bola do jogo para fora, foi a maior pontuadora, com 37. O Brasil joga pelo bronze com Cuba, neste sábado, às 12 horas (horário de Brasília). Na outra semifinal, a China derrotou Cuba também no tie-break po 25/22, 25/20 e 17/25, 23/25 e 15/10. A decisão da medalha de ouro será sábado, entre Rússia e China, às 14 horas.Zé Roberto ia relembrando os momentos de tantos erros de contra-ataques no quarto set, quando o Brasil deixou de fechar o jogo."Nós fizemos 24/20. Sacamos, a Sokolova virou a bola na ponta e fez 21.A Mari bateu uma bola para fora, a Wal bateu a bola na rede, a Virna tomou um bloqueio na saída, batemos outra bola para fora...." Zé Roberto lamentou que o time parasse nos contra-ataques. "Acabamos perdendo uma quantidade enorme. No quarto e quinto sets, cometemos erros em horas complicadas do jogo e foi fatal. Mas vamos tentar recuperar a cabeça, o bom-humor, tudo aquilo que fez parte desse grupo até agora e vamos lutar pelo bronze".Aborrecidas, as meninas do Brasil foram passando, uma a uma pela zona mista, onde estavam os jornalistas, desconsoladas, com os olhos vermelhos, voz embargada e tentando explicar o fato de não terem aproveitado tanta vantagem. "Ainda temos uma medalha pela frente. É normal, um time com essa constância no campeonato perder um set quando abriu vantagem de 24 a 19?", lamentou Waleska que, com seu saque foi responsável pela reação do Brasil no segundo set.Virna, abraçada ao filho, estava abalada. "Não tenho palavras, estou anestesiada...Não sei, não sei, foi excesso de vontade, deu essa zebra, é inexplicável. Faltou alguém por a bola no chão." A atacante Erika, que vinha sendo uma das mais efetivas do Brasil, saiu no segundo set para não voltar mais - teve cólicas fortes e foi medicada, pela manhã, segundo explicou Zé Roberto.Virna disse que a equipe tem de se reestruturar para tentar repetir pelo menos a medalha de bronze que o Brasil ganhou nos Jogos de Atlanta, em 1996, e em Sydney, em 2000. "Tínhamos a chance de ser campeãs olímpicas, não fomos, mas uma medalha de bronze temos de ter, é uma obrigação nossa." Fernanda Venturini, que voltou à seleção brasileira porque entendia que a equipe poderia ganhar a medalha de ouro, disse que não tinha explicação. "Chego a pensar que não era para eu estar numa final, porque tivemos a oportunidade e não soubemos aproveitar. Acho que o psicológico influiu. Enfim, não vira uma bola, não vira outra. Foram duas oportunidade, no quarto e quinto sets. Não tem explicação para o inexplicável." Fernanda disse que o bronze "não deixa de ser uma medalha", mas o time terá de se reestruturar para conseguir o terceiro lugar. "Se toma uma porrada é uma coisa, sai conformada. Agora sair do jeito que saímos com a medalhinha passando pelas nossas mãos é difícil."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.