Reprodução/ Instagram/ everaldomarques1
Reprodução/ Instagram/ everaldomarques1

'É mais xadrez que MMA', diz Everaldo Marques, a voz da NFL no Brasil

Narrador garante que será mais didático no Super Bowl, domingo, para deixar quem assiste o esporte pela primeira vez por dentro do jogo

Wilson Baldini Jr., enviado especial a Miami, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2020 | 10h30

Everaldo Marques tem 41 anos de idade, dos quais 14 trabalhando como narrador. Amante de todos os esportes, sonhava ser no rádio como Osmar Santos, Oscar Ulisses, Paulo Soares e José Silvério. Esteve à frente nas transmissões de futebol, boxe, Fórmula 1, mas foi para a TV e se transformou na voz da NFL no Brasil.

Ao lado do comentarista Paulo Antunes, Everaldo faz as transmissões de futebol americano na ESPN e leva aos torcedores conhecimento sobre a modalidade esportiva, trazida para a telinha do Brasil por Luciano do Valle no fim dos anos 80, por intermédio do programa dominical Show do Esporte.

"Começava o domingo com o Silvio Luiz com o Campeonato Italiano de futebol, passava pela sinuca com o Rui Chapéu, tinha os jogos de basquete entre Hortência x Paula e terminava com as lutas de boxe do Maguila", relembra Everaldo ao Estado.

Domingo é dia de mais um Super Bowl, quando estarão frente a frente, em Miami, San Francisco 49ers e Kansas City Chiefs. E, como acontece desde 2006, Everaldo vai narrar o jogo mais importante do ano do esporte preferido dos norte-americanos e que vem ganhando muitos adeptos no Brasil. Com mais de 800 mil seguidores nas redes sociais, Everaldo se prepara de dez a 12 horas para cada transmissão. Mas o jogo de domingo é especial.

"Terei de ser ainda mais didático que o normal, pois muita gente vai ver um jogo da NFL pela primeira vez. Vai ter aquele cara que só vai ver por causa do show do intervalo e aí é o momento de trazê-lo para a partida. O cara tem de entender o jogo. Preciso narrar mais no arroz com feijão."

Segundo Everaldo, o brasileiro está deixando de ter preconceito com o futebol americano. "É um esporte que tem momentos de violência, contato, pancada, mas também tem muita estratégia e inteligência. É mais xadrez que MMA", afirmou o narrador, que considera esta modalidade uma das mais democráticas. "Tem função para o cara de 1,70 metro de altura e 68 quilos, mas também tem para o grandalhão de 2,20 metros e 150 quilos. Todo mundo pode jogar."

Quanto ao duelo de domingo, Everaldo prevê muito equilíbrio. "Na bolsa de Las Vegas a vantagem do Kansas é mínima, só porque é preciso ter alguém em vantagem para ter apostas. Acho que vai ser uma briga entre a genialidade de Patrick Mahomes, quarterback do Kansas City, contra a força e posicionamento da defesa de San Francisco."

* Repórter viajou aos EUA a convite da ESPN, transmissora oficial da NFL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.