Ale Cabral/CPB
Ale Cabral/CPB

Rayane Soares garante a primeira medalha de ouro do Brasil no Mundial de Atletismo

Estreante na competição, brasileira faz o melhor tempo de sua vida e confirma vaga para os Jogos de Tóquio-2020

João Prata, enviado especial a Dubai, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2019 | 15h13

A maranhense Rayane Soares, de 22 anos, foi a responsável por levar o Brasil pela primeira vez ao pódio no Mundial de Atletismo Paralímpico em Dubai. Estreante nesse tipo de competição, ela conquistou a medalha de ouro nos 400m da classe T13 com o melhor tempo de sua vida: 57s30. A primeira colocação garantiu a ela uma vaga nos Jogos de Tóquio-2020.  A portuguesa Carolina Duarte, favorita da prova, terminou com a prata (57s46) e a ucraniana Leilia Adzhametova (57s55) ficou com o bronze.

"Estou muito feliz. O que mais quero fazer agora é ir para o celular e falar para as minhas irmãs que consegui e ganhei. Avisar minha mãe que estava preocupada porque eu estava com a perna machucada", comemorou. A marca alcançada surpreendeu Rayane. "Não estava esperando nada na verdade. Queria conseguir o índice ou ganhar medalha".

Natural de Caxias, no interior do Maranhão, Rayane hoje vive com a família em Brasília. Ela nasceu com baixa visão por causa de um problema congênito. Seus três irmãos também têm a mesma deficiência. As outras três irmãs, não.

Ravena, Rayssa e Raynara são as irmãs. Wallace, Wanderson e Wesley, os irmãos. Vivem todos em Samambaia, cidade satélite do Distrito Federal e estavam acompanhando a prova. Por causa da baixa visão, Rayane só percebeu que ganhou a prova depois que cruzou a linha de chagada e ouviu os outros atletas brasileiros vibrando na arquibancada. "Na hora da prova não vi se tinha sido eu ou a menina que estava do meu lado. Mas aí ouvi a galera e comemorei junto."

Rayane ainda competirá em duas provas no Mundial, os 100m e os 200m. A primeira também será disputada em Tóquio-2020, a outra, não. Para a maranhense, faturar os 400m foi um alívio e de certa maneira inusitado porque não é a prova em que ela é mais forte. "É a que fico mais nervosa porque não e minha especialidade. Fiquei muito feliz que deu tudo certo."

A especialidade é os 100m. No Parapan de Lima, que aconteceu no final do mês de agosto, início de setembro, Rayane terminou com a prata. Agora a expectativa é conquistar o segundo ouro em Dubai. "Vamos tentar". As eliminatórias começam no domingo pela manhã em Dubai, madrugada no Brasil.  

É BRONZE

A segunda medalha para o Brasil também veio nesta quinta-feira. Alessandro Sa Silva terminou em terceiro lugar no arremesso de peso com a marca de 13,99 metros. O ouro ficou com o iraniano Mahdi Olad (14,44m), e a prata com o croata Miljenko Vucic (14,42m). "Está ótimo. Essa não é a minha principal prova. Quarta-feira vou em busca do bicampeonato mundial no lançamento de disco."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.