E Renato já conta com Ronaldinho no Grêmio

No intervalo do Jogo das Estrelas, evento beneficente organizado por Zico, ontem, no Rio, técnico enche a bola do jogador e afirma que o retorno do meia do Milan a Porto Alegre já está mais de 90% acertado

Sílvio Barsetti, O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2010 | 00h00

Na oitava edição do Jogo das Estrelas, evento beneficente organizado por Zico, o técnico do Grêmio, Renato Gaúcho, declarou que conta com o reforço de Ronaldinho, do Milan, para 2011. "As negociações estão adiantadas em mais de 90%", declarou, no intervalo da partida. Antes, porém, ele deixou claro que Ronaldinho vai mesmo optar pela volta ao Grêmio. "Ele será uma peça muito importante para vencermos a Taça Libertadores."

Renato atuou no time branco, que perdeu por 8 a 6 do time vermelho, o de Zico, em festa realizada no Engenhão para um público superior a 23 mil pessoas. Para confirmar o acordo, o irmão e empresário de Ronaldinho, Roberto Assis, vai se reunir hoje com Adriano Galliani, dirigente do Milan. O contrato do meia com o Grêmio já está acertado - vai ser de quatro anos. "O Ronaldinho é craque, deveria ter ido à última Copa do Mundo. No Grêmio, será muito bem recebido", disse o técnico Renato.

Em campo, Renato sofreu com o calor e se irritou com o atacante Túlio, que teimava em não passar a bola para os colegas. Em busca do milésimo gol, Túlio queria deixar sua marca. Foi feliz duas vezes e, agora, segundo suas contas, atingiu a marca de 938 gols. No mesmo time, craques do passado, como Adílio e Andrade, exibiam habilidade.

Mas era no time vermelho a maior concentração de figuras ilustres do futebol brasileiro. Zico jogou com proteção no braço direito e, ainda assim, conseguiu dar um passe de letra e criar outros lances vistosos. Romário marcou três gols e também deu show. No meio, Júnior, hoje comentarista esportivo, compôs o trio de fama internacional.

Se os mais velhos corriam apenas o suficiente, o atacante Emerson, autor do gol do título do Brasileiro para o Fluminense, era quem se deslocava com rapidez para finalizar. Acabou marcando três vezes.

No final, com várias substituições, outros nomes de peso desfilaram pelo Engenhão. O atacante Amoroso jogou alguns minutos e Edu, ídolo do América nos anos 70, substituiu o irmão Zico.

"A cada ano, o evento ganha dimensão. Desta vez, toda a renda será revertida para entidades carentes", disse Zico, assim que saiu de campo, ovacionado pelo público.

O ex-craque do Flamengo e da seleção lamentou antes seu ano profissional. "Foi nota zero", comentou, referindo-se à demissão no Olympiakos, da Grécia, em janeiro, e à sua passagem conturbada pelo Flamengo como diretor-executivo, cargo do qual se desligou em outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.