Edvando Souza promete na mountain bike

O 247º atleta olímpico brasileiro vai a Atenas como convidado da União Ciclística Internacional (UCI), mas não espera fazer papel de figurante. Edvando Souza Cruz, 26 anos, disputará a prova de mountain bike, no dia 28, querendo ficar entre os melhores do mundo para mostrar que merecia a vaga. "Eu já tinha deixado a Olimpíada de lado. Agora é aproveitar a chance", diz ele, que, ao receber o primeiro telefonema, anteontem, sobre a possibilidade da vaga sair, não deu importância e foi treinar. "Passei o ano todo olhando o site da UCI, não acreditava que isso viria agora." O paulista de Ilhabela não atingiu os pontos suficientes no ranking do esporte, nem conseguiu colocação na seletiva disputada no ano passado para se classificar para a Olimpíada. O convite, também enviado a atletas do Chile e da Suécia, veio, segundo ele, por três fatores: a medalha de prata conquistada no Pan de Santo Domingo, em 2003, a boa posição no ranking e os investimentos que a Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) vem fazendo no esporte - o Brasil terá, em 2004, seis eventos internacionais contando pontos para o ranking. Some-se a isso o fato da seletiva ter sido disputada em péssimas condições climáticas, o que atrapalhou vários dos favoritos.Vando, como é conhecido, deve embarcar na segunda-feira. A equipe de ciclismo do Brasil, já em Atenas, o aguarda com festa. Ele se juntará a Jaqueline Mourão, que competirá no mountain bike feminino no dia 27. "Não fiz preparação específica para Atenas, mas vinha treinando e competindo. Estou na minha melhor forma. Só preciso me cuidar e reconhecer o percurso de Atenas", diz ele, que venceu o campeonato brasileiro há pouco mais de 15 dias.Largada - Como convidado, o ciclista brasileiro largará bem atrás na disputa olímpica e terá de fazer uma prova de recuperação. Ele sabe que, se a vaga já foi difícil, uma medalha é praticamente impossível, mas quer ficar ao menos entre os vinte melhores e conquistar pontos que o deixarão em boa posição nos próximos torneios.No ano passado, ficou em sétimo na Copa da França e surpreendeu os europeus, que são a grande potência da modalidade. Em outra prova, no Equador, chegou em quarto, deixando o americano Jeremy Bishop, que estará em Atenas, em quinto. "Tenho de subir degrau por degrau, o trabalho para a Olimpíada de Pequim começa amanhã."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.