Divulgação/Santos
Divulgação/Santos

Elano volta ao estádio em que só venceu, às 19h30 desta quarta-feira

Em sua reestreia no Santos, contra o Mirassol, meia vai jogar no Pacaembu, onde ganhou os cinco jogos que disputou

Sanches Filho, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2011 | 00h00

O Santos vai ficar nesta quarta-feira um pouco mais com a cara do time que buscará o título da Copa Libertadores, com a reestreia de Elano, contra o Mirassol, às 19h30, no Pacaembu. Aos 29 anos, depois de seis temporadas no exterior - atuou na Ucrânia, Inglaterra e Turquia - e com a experiência de ter participado da Copa do Mundo da África do Sul, no ano passado, o volante estará de volta ao estádio onde jogou cinco vezes e só venceu.

Foram duas vitórias contra o Corinthians, e uma contra Palmeiras, Juventus e Guarani, com quatro gols marcados.

"Não tem como não estar ansioso, depois de seis anos fora. Nesse tempo todo aprendi muito, estou mais experiente, mas a ansiedade existe sim. Só que quando eu entrar em campo acaba", disse Elano, após o treino tático de terça, no CT Rei Pelé.

Contratado do Galatasaray no fim de novembro do ano passado por 3,2 milhões (aproximadamente R$ 7,1 milhões), ele é o principal reforço santista visando à conquista da Libertadores e do Mundial de Clubes da Fifa.

"Os quatro anos da minha primeira passagem pelo Santos fazem parte do passado, mas estão presentes na minha memória pelas conquistas. Este é um momento de alegria por retornar por mais três anos. Vou me dedicar, me doar e quero conquistar muitas coisas", falou o atleta. "Ao chegar, eu disse ao Neymar que vou estar sempre pronto para ajudar no que for preciso. Quero ser apenas um coadjuvante deles."

Na geração de 2002, que tirou o Santos da fila de 18 anos sem títulos, ao derrotar o Corinthians na decisão do Campeonato Brasileiro, Elano só não foi mais ídolo do que Robinho e Diego, que eram os xodós da torcida. Mas, para Emerson Leão, responsável pela formação do time, ele tinha tanta importância quanto o atacante e o meia, pela aplicação tática, visão de jogo e facilidade com que desempenha diferentes funções.

No time desta quarta à noite, Elano será segundo volante. "Para mim é indiferente, porque segundo volante de hoje é quase um meia e não fica apenas fixo atrás para marcar", explicou.

A imprensa não pôde assistir à primeira parte do treino, no CT Rei Pelé, quando Adilson Batista fez algumas experiências. Na parte final, o treinador tirou Keirrison para armar o time com duas linhas de quatro e apenas dois atacantes, Maikon Leite e Zé Eduardo. Depois do treinamento, Adilson confirmou a mudança de esquema.

Defeitos. Apesar da vitória por goleada de 4 a 1 contra o Linense, em Lins, sábado passado, o treinador viu defeitos no time. "O nosso goleiro [Rafael] não pode fazer 200 defesas num jogo", exagerou o técnico. "É preciso maior participação de todos, principalmente dos mais novos, na marcação", lembrou.

Adilson também confirmou a estreia de Jonathan, que tanto poderá ser na lateral-direita como no meio de campo, caso Arouca seja vetado pelos médicos do clube.

A CARREIRA DE ELANO

Times:

Guarani (até 2000)

Inter de Limeira (2000/2001), Santos (2001 a 2004)

Shakhtar Donetsk (2005 a 2007) Manchester City (2007 a 2009) Galatasaray (2009/2010)

Títulos:

Campeonato Brasileiro de 2002 e 2004, pelo Santos, Campeonato Ucraniano (2005 e 2006) e Supercopa da Ucrânia (2005) pelo Shakhtar, Copa América de 2007 e Copa das Confederações de 2009 pela seleção brasileira

Curiosidades:

- Vendido para o Shakhtar por R$ 10 milhões, Elano foi o primeiro jogador que atuava no futebol ucraniano a ser convocado para a seleção brasileira.

- Foi o segundo brasileiro a vestir a camisa do Manchester City

- Nasceu em 14 de junho de 1981, em Iracemápolis, interior de São Paulo

- Anotou dois gols na Copa da África: contra a Coreia do Norte e a Costa do Marfim

- Foi convocado para a seleção pela primeira vez em 2004. Realizou 45 jogos e balançou as redes em nove ocasiões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.