Eliminatórias 4x100 m livre começam neste domingo

Disputa será seguida com atenção por Cesar Cielo, que pode nadar a final. EUA e Austrália prometem bom confronto

Alessandro Lucchetti - Enviado especial, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2012 | 03h04

LONDRES - A Austrália, os Estados Unidos e Cesar Cielo vão acompanhar com atenção as eliminatórias do 4x100m livre, previstas para começar às 11h56, no Aquatics Centre. O campeão olímpico dos 50m livre está sendo poupado, e só vai nadar o revezamento se a equipe for à final.

Hoje, a melhor equipe de revezamento do Brasil é o 4x100m medley, que poderia reunir Thiago Pereira, Felipe França, Kaio Márcio e o próprio Cielo, que acredita nas possibilidades de um bronze ou até mesmo numa prata. A disputa do revezamento quatro estilos será no dia 3. "Não vai ser fácil, mas nossa equipe é forte e brigará por medalha", promete Pereira.

No 4x100m, o Brasil se classificou em nono lugar (entre 16) com o tempo do Mundial de Xangai (3min16s28). No Pan de Guadalajara, essa marca melhorou bastante. Os 3min14s65 seriam suficientes para resultar em presença na final de Xangai.

Os nomes dos componentes do quarteto serão divulgados apenas pouco antes do início da competição. As decisões para formação das equipes de revezamento são sempre tomadas tendo em consideração a preservação das chances dos nadadores nas provas individuais e o desgaste já acumulado. Os treinadores do Brasil podem escolher entre Nicholas Santos, Nicolas Nilo, Bruno Fratus e Marcelo Chiereghini.

Seja qual for o desempenho do Brasil, a prova promete. A Austrália desafia os Estados Unidos com uma geração de velocistas altamente competente. Trata-se de Eamon Sullivan, Mat Targett, James "O Míssil" Magnussen e James "O Foguete" Roberts. Os Estados Unidos também vêm fortes. Michael Phelps até gostaria de ser, mas não é um especialista nos 100m livre. Porém, seu espírito competitivo o leva a grandes performances no revezamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.