Elisângela foi eliminada pela emoção

A brasileira Elisângela Adriano, recordista sulamericana da modalidade, atribuiu ao fator emocional a sua má apresentação nas eliminatórias da prova de arremesso do peso do torneio olímpico de atletismo disputada nesta quarta-feira no Estádio Antigo de Olímpia, onde começaram os Jogos Olímpicos hà 1611 anos.?Poderia ter sido bem melhor, esperava ir à final, mas não deu certo. Deixa para a próxima vez?, lamentou a atleta de 32 anos que em suas tentativas fez 17,44 metros como a melhor marca, e foi eliminada da competição. Elisângela ficou muito longe do seu melhor índice deste ano, 18,22 metros e mais distante ainda do recorde continental de 19,30 metros, suficiente para a sua inclusão entre as 12 finalistas.João Paulo Alves da Cunha, técnico de Elisângela, reconheceu que sua atleta foi realmente traída pela emoção. ?Se eu fiquei dez minutos arrepiado quando entrei neste estádio, inagine ela, que já entrou chorando?, disse o treinador, que não escondeu a sua dececpção com o desempenho da atleta.?Vamos ter de adiar por quatro anos nossa meta de chegar à marca de 18h50, que garantiria um lugar na final olímpica. Elisângela estava muito bem fisicamente e na parte técnica, mas no esporte o fator psicológico também é importante. Infelizmente não deu?, completou Cunha. Mas, Elisângela tem uma nova oportunidade de justificar sua participação na Olimpíadas de Atenas, na competição do lançamento do disco, segunda especialidade da atleta, na sexta-feira, no mesmo cenário da prova de hoje. ?Eu estava mais confiante no arremesso de peso, mas agora tenho que fazer o meu melhor no disco para sair daqui com a alma lavada?, concluiu a recordista sulamericana. .

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.