Em ascensão no UFC, Ronaldo Jacaré evita pensar em luta com Anderson Silva

Em entrevista ao 'Estado', lutador fala sobre seu crescimento meteórico na competição

Guilherme Dorini, O Estado de S. Paulo

11 de outubro de 2013 | 12h13

SÃO PAULO - Ronaldo Jacaré vive um momento de ascensão no Ultimate Fight Champioship (UFC). O capixaba precisou de apenas duas vitórias no maior torneio de artes marciais mistas (MMA) do mundo para subir no ranking e já ter seu nome colocado entre os melhores lutadores dos médios. Na categoria, ele aparece na terceira posição, atrás apenas dos brasileiros Anderson Silva, com luta marcada para disputar o título, e Vitor Belfort. Chris Weidman, atual detentor do cinturão, não aparece no lista, já que são relacionados apenas os postulantes ao título.

Apesar de ser elogiado por Anderson Silva, ex-campeão da categoria, e Dana White, presidente do UFC, o brasileiro prefere manter os pés no chão e afirma que ainda possui "muito caminho pela frente" antes de pleitear um combate pelo título. Ao contrário de Anderson, que disse abertamente que negaria uma luta contra Jacaré, o capixaba evita responder se toparia ou não um combate com o amigo de treino, mas diz ter certeza de que Spider reconquistará o cinturão contra Chris Weidman, no dia 28 de dezembro, em Las Vegas, Estados Unidos.

Aos 33 anos, Ronaldo Jacaré iniciou sua carreira no MMA em 2003, após vencer diversos títulos e se tornar uma referência para o jiu-jítsu brasileiro. Depois de uma passagem destacada pelo extinto Strikeforce, onde foi campeão do peso-médio, ele fez sua estreia no UFC neste ano, quando derrotou o norte-americano Chris Camozzi no UFC on FX 8, disputado em Jaraguá do Sul, e bateu o japonês Yushin Okami, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Em entrevista ao Estado, o lutador falou sobre sua ascensão meteórica no campeonato, a vontade de lutar em Las Vegas e sobre um possível duelo com os brasileiros Anderson Silva e Vitor Belfort.

Você foi campeão no Strikeforce, conseguiu duas vitórias no UFC e já se comenta em uma possível luta próxima do cinturão. O que acha disso? Você esperava uma ascensão meteórica?

RONALDO JACARÉ - Não, na realidade eu esperava uma boa ascensão, mas não tão meteórica assim. Eu peguei um cara bom e consegui fazer uma excelente apresentação na minha estreia. Então, o Dana (White, presidente do UFC) então já me disse que pegaria o Okami, o terceiro do ranking. Fiz uma excelente apresentação, com nocaute, em um cara que já fez muitas lutas, muito experiente. Eu falava que seria rápido porque eu estava confiante, mas sabia que podia ser uma luta dura.

Você já é o 3.º do ranking da categoria, atrás apenas de Weidman, Anderson e Vitor Belfort. O que pensa de uma luta contra Vitor para definir o futuro do desafiante do cinturão?

RONALDO JACARÉ - Acho que isso fica a critério do UFC. Mas pra mim seria um sonho lutar com um cara tao fenomenal quanto o Belfort, que agora está na melhor fase da carreira dele, na cara do cinturão. Deve ser uma luta difícil, ele se credenciou para isso.

Se não rolar uma luta top da categoria? Você topa subir de categoria para o meio-pesado?

RONALDO JACARÉ - Isso depende da minha equipe, mas eu toparia sim. Porém, tenho muito o que provar na minha divisão ainda. Tenho que me testar muito, estou chegando agora e ainda vou para apenas para minha terceira luta.

Em uma entrevista recente ao Estado, o Anderson Silva indicou você como um dos grandes nomes brasileiros para virar um campeão. O que você acha disso?

RONALDO JACARÉ - Vindo de uma grande campeão como o Anderson é um grande elogio. Isso só me motiva a dar o melhor de mim para chegar ao topo. Ele fez o que ninguém fez até agora. Apesar de não treinarmos juntos há muito tempo, tenho uma relação muito boa com ele.

Você disputaria o título com o Anderson?

RONALDO JACARÉ - Eu sou funcionário do UFC, mas quando chegar a hora eu respondo para você. Tenho certeza que ele vai recuperar o cinturão e nocautear o Weidman. Essa é minha torcida. Eu ainda tenho muito caminho pela frente e não preciso te dar essa resposta agora.

Como você começou no MMA?

RONALDO JACARÉ - Essa vontade veio dos vídeos do Royce Gracie.Era meados de 1998, eu tinha iniciado no jiu-jítsu e isso me incentivou ainda mais. Porém, na academia eu sempre levava escova, perdia, era frustrante para mim. Com o passar do tempo fui melhorando, era menos escovado, e assim fui evoluindo, me tornando campeão amazonense, brasileiro e mundial.

Da onde veio o apelido de Jacaré? Como começou? Você gosta?

RONALDO JACARÉ - Eu treinava em Manaus e o símbolo da academia era um jacaré. Eu dormia na academia, limpava os tatames, fazia todos os treinos, começaram a falar que eu parecia com o símbolo da academia. Eu nunca liguei, e pegou. Se consolidou porque eu tinha uma pegada forte, segurava no quimono e não largava mais.

Quem são seus ídolos no esporte?

RONALDO JACARÉ - Sou fã do Minotauro, sou muito fã dele.

Tem vontade de lutar em algum lugar em especial?

RONALDO JACARÉ - Tenho vontade de lutar em Las Vegas. Já lutei nos Estados Unidos algumas vezes, mas lá, nunca. Dizem que é muito fácil, que você desce do hotel direto pro  octógono. Essa tranquilidade deve ser legal, você desde direto para a batalha.

E algum adversário?

RONALDO JACARÉ - Não, não tenho essa vontade não. Minha vontade é de pegar lutas difíceis no UFC.

Tudo o que sabemos sobre:
UFCRonaldo JacaréLutasmma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.