Em baixa, André perde espaço no ataque do Santos

Jogador foi contratado para reforçar ataque do Santos, mas está sem oportunidades

SANCHES FILHO, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2013 | 02h02

SANTOS - Jamais desistir de um bom jogador é um dos lemas de Muricy Ramalho. Vinha sendo assim até ontem, com André, recontratado por empréstimo em agosto do ano passado para ser a solução para o comando do ataque, após a perda de Borges, Alan Kardec e Rentería.

Com a contusão de Miralles (edema na parte posterior da coxa esquerda) na derrota por 3 a 1 contra o Paulista, domingo, no Pacaembu, tudo indicava que André teria nova oportunidade para por fim ao jejum de 13 jogos sem fazer gol. O treinador esqueceu um dos seus mandamentos e escalou o time no esquema 4-5-1, sem um atacante de área. E ele deve ter ficado satisfeito com o que viu ontem cedo, no Centro de Treinamento Rei Pelé, no jogo-treino contra o Sub 20 do Jabaquara.

Com Léo na lateral-esquerda, em substituição ao limitado Guilherme Santos, e a volta de Renê Júnior à cabeça de área, o Santos goleou por 6 a 0. Só Neymar marcou quatro vezes (um dos gols foi em cobrança de falta e outro de pênalti) e Cícero e Montillo completaram o marcador.

Na nova formação, o meio-campo fica com os volantes Renê Júnior - o que melhor marca - Arouca e Marcos Assunção, além de Cícero, que também ajuda o bloco defensivo, enquanto Montillo volta menos e atua mais próximo a Neymar.

"A mudança do 4-4-2 para o 4-5-1 é indiferente porque o time continua sendo muito ofensivo. Com a volta de Renê Júnior, os laterais são liberados para sair mais para o ataque. A ordem de Muricy é para eu e Léo nos revezarmos no apoio", disse o lateral Bruno Peres.

Mas, no jogo-treino de ontem, Léo, que ainda não estreou na temporada, limitou-se a trabalhar na marcação e não se arriscou a passar do meio.

Mesmo com a ressalva da fragilidade da equipe do Jabaquara, deu para perceber que com as duas mudanças, o time ficou mais consistente na marcação e encorpado no meio, sem perder a força ofensiva, graças ao constante apoio de Bruno Peres pela direita e a chegada de trás Cícero e Montillo para trabalharem com Neymar e finalizar. Essa deve ser a formação do time para enfrentar a Ponte Preta, domingo à noite, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.

SEM PRESSA

O vice-presidente Odílio Rodrigues disse ontem que o Santos deve contratar mais um atacante de área e um zagueiro, mas que, no momento, não há nenhuma negociação em andamento.

Com relação a Marcelo Moreno, Odílio esclareceu que nas conversas dos dirigentes com Muricy, o treinador demonstrou gostar do futebol do jogador, mas que até o momento o Santos não entrou na disputa para tentar contratar o atacante boliviano do Grêmio.

Marcelo Moreno entrou no segundo tempo na derrota (2 a 1) gremista para o Huachipato, do Chile, ontem, em Porto Alegre.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos FCfutebolAndré

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.