Em busca de uma viagem tranquila

São Paulo enfrenta o Marília para pensar, com calma, só no Defensor

, O Estadao de S.Paulo

14 de março de 2009 | 00h00

O São Paulo estabeleceu uma meta para a última semana: somar seis pontos nas duas partidas em casa pelo Campeonato Paulista. Em jogo, além da reabilitação no Estadual, a vantagem de levar para a disputa da Libertadores a tranquilidade do dever cumprido. Quinta-feira, contra o Mirassol, o time atingiu 50% do objetivo - goleada por 5 a 0. Hoje, às 18h10, também no Morumbi, tenta encerrar o desafio contra o Marília.Siga os lances do jogo do São Paulo Veja o canal especial do PaulistãoO técnico Muricy Ramalho aprovou a atuação da equipe no jogo do meio da semana. Só lamenta o fato de, talvez, não poder escalar os mesmos titulares, considerados por ele o São Paulo ideal - embora já saiba, de antemão, que não contará com André Dias, que sentiu uma contratura na coxa direita, e com Hugo, que sofre de dores no joelho esquerdo. "Tenho de conversar com todos antes do jogo", adiantou. "Se estivéssemos jogando às quartas e domingos, certamente os mesmos entrariam em campo, porque haveria tempo de recuperação. Mas agora estou em dúvida e talvez precise usar um mistão", analisou o treinador na entrevista que já avançava o início da sexta-feira.A intenção de Muricy em manter a equipe que jogou contra Mirassol e América de Cali tem explicação clara: o duelo contra o Defensor Sporting, quarta-feira, no Uruguai. Os dois times lideram o Grupo 4 da Taça Libertadores, com quatro pontos - os brasileiros estão em 1º lugar por terem melhor saldo de gols. O confronto pode definir o líder isolado da chave e praticamente determinar a classificação para as oitavas-de-final. "Por isso gostaria de ter o time em dois jogos seguidos. Queria dar sequência. Mas, para eles jogarem, vou ter que ser convencido de que estão bem."É óbvio que o processo de convencimento não passa só pela opinião dos jogadores - até porque, se pudessem decidir, todos estariam em campo. "Eu estou pronto, quero muito jogar", disse o atacante Borges, seis gols nos últimos seis jogos. "Manter a sequência é sempre bom, porque o entrosamento fica cada vez mais fácil", defendeu Washington, que marcou três vezes contra o Mirassol.Se optar por um time misto, Muricy já avisou: a entrada de reservas não servirá como desculpa para um mau resultado. "Quem for a campo irá consciente de que vai para vencer." Não quer correr o risco de sofrer uma derrota em casa e levar o incômodo na mala com destino a Montevidéu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.