Em Cingapura, seleção volta a encontrar paz

Time olímpico deixou o Brasil sob vaias. Mas, na Ásia, Dunga e seus comandados são tratados como ídolos

O Estadao de S.Paulo

26 de julho de 2008 | 00h00

A seleção olímpica está em paz e feliz. Sem a pressão da torcida brasileira, que cobra sempre, o clima entre os jogadores não poderia ser melhor. Em Cingapura, onde faz os últimos retoques para os Jogos Olímpicos, são tratados como ídolos. Sorrisos, brincadeiras, pedidos de autógrafos, fotos. A alegria dos asiáticos contagiou toda a equipe nos treinamentos. O time de Dunga fez apenas um amistoso antes de embarcar para a Ásia. Bateu um combinado de jogadores cariocas por 1 a 0, em Volta Redonda, e deixou o estádio sob vaias. Eco das más apresentações da seleção principal (que vinha de derrotas para Venezuela e Paraguai), mas também desconfiança do time olímpico.Longe do Brasil, os jogadores são tratados como heróis e voltaram a ouvir elogios das arquibancadas. No treino de sexta-feira, o único aberto ao público, um garoto de Cingapura emocionou o volante Anderson ao cantar uma música que a torcida do Manchester United compôs para ele. O jogador retribuiu dando suas chuteiras de presente ao garoto, que chorou.Até Dunga, sempre sério, se deixou levar pelo bom ambiente. Foi o técnico quem fotografou o garoto abraçado ao ídolo Anderson. "Os jogadores estão felizes, conversando e brincando muito", declarou o treinador. "Isso é um bom sinal, mostra que o grupo está unido dentro e fora do campo."No treino realizado ontem, pela manhã, o técnico mudou o esquema tático da seleção e escalou os titulares no 3-5-2. Anderson, que vinha atuando como volante, foi deslocado para a ala esquerda. A zaga do primeiro coletivo, com Thiago Silva e Alex Silva, ganhou o reforço do ex-são-paulino Breno.No meio-de-campo, Dunga pôs Rafinha e Anderson como alas, com Lucas e Hernanes centralizados. Ronaldinho Gaúcho, confirmado como capitão pelo técnico ontem, foi recuado para a meia. Diego foi para a reserva. No ataque, Jô fez companhia a Alexandre Pato. O goleiro Renan seguiu como titular. A única substituição feita por Dunga durante o ensaio foi a entrada de Ilsinho no lugar de Rafinha, na direita.À tarde, Dunga e o assistente técnico Jorginho comandaram um treino técnico, em campo reduzido. A preocupção foi aprimorar a movimentação, marcação, saída de bola, com passes de primeira, e posicionamento do time em bloco.O treinador elogiou a boa condição física de seus comandados. "Como a maioria já fez pré-temporada na Europa ou estava em atividade no Brasil, estamos dando ênfase à parte tática", disse ele, que disse ter gostado do empenho dos jogadores.Hoje a seleção faz o último treino, à tarde, no Estádio Nacional de Cingapura, antes de enfrentar a seleção local, amanhã, às 9 horas (de Brasília). Na sexta-feira, o Brasil enfrenta o Vietnã, em Hanói. A expectativa é de casa cheia, já que os 40 mil ingressos postos à venda se esgotaram rapidamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.