Em crise, remo elege presidente

Três candidatos concorrem ao cargo, cujo mandato é de 4 anos

Sílvio Barsetti, O Estadao de S.Paulo

15 de agosto de 2009 | 00h00

Após três meses e meio sob intervenção, a Confederação Brasileira de Remo (CBR) promove hoje eleição para a escolha de seu presidente. São três os concorrentes ao cargo: Wilson Reeberg, Sady Berber e Rodney Araújo. Das 14 federações estaduais de remo, apenas 8 estão habilitadas a votar. As demais não constam do colégio eleitoral por não atenderem a requisitos estatutários. A CBR vive grave crise após denúncias de irregularidades na gestão de Rodney Araújo, afastado da presidência por decisão judicial. A eleição está marcada para as 14 horas na sede da entidade, no Estádio de Remo da Lagoa.Desde o início de maio, a CBR ficou sob responsabilidade de Mauro Ney Palmeiro, encarregado de levantar a situação da entidade e de cada federação filiada. Uma auditoria das contas da CBR ainda está em curso.O remo nacional esteve no centro de um escândalo recente, com o abandono de lanchas e catamarãs que serviram ao Pan de 2007. As embarcações estavam num matagal da Ilha do Fundão, na zona norte do Rio. Custaram aos cofres públicos pouco mais de R$ 350 mil.Equipamentos utilizados na Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul, durante o Pan também foram deixados de lado, como várias poitas - estruturas de concreto que demarcam as boias. Algumas continuam sob o lodo da lagoa. A Federação de Remo do Rio também questionou a não utilização, após o Pan, de uma raia importada da Hungria para os Jogos, ao valor aproximado de R$ 900 mil.Mesmo em meio à crise, o remo conseguiu no fim de julho um feito inédito para o esporte nacional. O jovem Ailson Eráclito foi vice-campeão mundial na República Checa, no single-skiff.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.