Em dia ótimo para o atletismo, Brasil mantém boa campanha no Chile

Equipe chega a 158 medalhas em dia de pódio para Fabiana Murer e judocas no Sul-Americano

Nathalia Garcia, enviada especial, O Estado de S. Paulo

14 de março de 2014 | 22h57

SANTIAGO - Com ótimo desempenho do atletismo nesta sexta-feira, o Brasil manteve a boa campanha nos Jogos Sul-Americanos, em Santiago, no Chile. O País ocupa a liderança do quadro com 158 medalhas (67 de ouro, 41 de prata e 50 de bronze), seguido de Colômbia (88) e Argentina (96). O anfitrião Chile aparece na quinta posição, enquanto Aruba, Bolívia e Guiana ainda não subiram ao pódio.

 

Campeão no Mundial Indoor, Mauro Vinícius, o Duda, não repetiu o bom desempenho no salto em distância em pista aberta e acabou superado pelo panamenho Irving Saladino e pelo uruguaio Emiliano Lasa Sanchez. O brasileiro atingiu 7,88 metros em seu salto, bem distante dos 8,16 m do campeão. "Até estava correndo veloz, mas não estava conseguindo aplicar a força necessária, o salto estava indo rasante e não atingiu tanta distância", analisa.

 

Já Fabiana Murer ficou com a medalha de ouro ao acertar o terceiro salto de 4,40 metros. Devido ao nível inferior de suas adversárias, a brasileira teve de esperar mais de duas horas para competir. O salto com vara também rendeu um bronze ao País com Karla Rosa.

 

Anderson Henriques e Geisa Coutinho (ambos nos 400 m) e Wagner Domingos (lançamento de martelo) faturaram as outras medalhas de ouro da modalidade. As pratas foram conquistadas por Jefferson Lucindo (100 m), Jonathan Henrique da Silva (100 m com barreiras), Hugo de Sousa (400 m) e Jucilene Sales (lançamento de dardo). Já Franciela Krasucki (100 m), Tatiana Araújo (1.500 m), Joelma das Neves (400 m) e Laila Domingos (lançamento de dardo) ganharam os bronzes.

 

O judô encerrou a sua participação nos Jogos com mais três medalhas: duas de ouro e uma de bronze. David Moura (+100 kg) e Claudirene Cezar (+78 kg) subiram ao lugar mais alto do pódio, enquanto Rafael Buzacarini (até 100 kg) perdeu na estreia e se reabilitou para ficar com o terceiro lugar.

 

Outra modalidade que chegou ao fim nesta sexta foi a canoagem, em Valparaíso. Uma das douradas do dia foi de Nivalter dos Santos, que conquistou o tricampeonato no C1 200 m. "A prova foi boa, puxada. Nos 200 m qualquer erro pode custar a vitória. O que acontecia comigo antes era de largar bem e cansar no final. Agora estou conseguindo melhorar mais esse final. Essa medalha para mim me deixa bem feliz mesmo", festejou. A outra medalha de ouro pertence a Edson Freitas, no K1 200 m. Ele também foi prata no K2 200 m ao lado de Hans Mallmann, com o tempo de 31s682. Valdenice Conceição ficou com o bronze no C1 200 m, com o tempo de 48s773.

 

O tênis de mesa voltou a mostrar um bom desempenho e faturou três ouros. Cazuo Matsumoto e Thiago Monteiro garantiram o primeiro lugar da dupla masculina, Jessica Yamada venceu ao lado de Gui Lin pela parceira feminina e ao lado de Gustavo Tsuboi pela mista.

 

O jovem Marcus Vinícius de Almeida levou a melhor no individual no tiro ao arco, superando Fabian Cardenas, da Argentina, na final. Na fase eliminatória, tinha batido o recorde brasileiro adulto. Daniel Rezende ficou nas oitavas de final e Marcos Bortolotto nas quartas.

 

Entre os outros esportes, o dueto brasileiro do nado sincronizado faturou o ouro, Roberto Schmits, na fossa olímpica, acabou com a prata. "É o sonho, a realização, a adrenalina, e o ápice para qualquer atleta. Por ser o país-sede, o Brasil já tem uma vaga assegurada na fossa olímpica. Queremos outra", disse o atleta.

 

A equipe brasileira de hipismo saltos levou a medalha de prata em Quillota. A prova terminou com vitória chilena e bronze para os argentinos. Ainda mais duas pratas vieram com Rosane Santos (53kg), no levantamento de peso, e com Fernando Scavasin, no florete. Na espada, as duas representantes do Brasil, Rayssa Costa e Amanda Simeão, foram eliminadas na estreia. O boliche encerrou a sua participação com o ouro de Marcelo Suartz.

 

OUTROS RESULTADOS

A seleção brasileira masculina de handebol ganhou do Chile por 33 a 22 e garantiu a classificação para a final, em Viña del Mar. O time pega a Argentina na luta pela medalha de ouro no domingo, às 19 horas. O time de futsal também fez a sua parte e superou o Uruguai por 2 a 0, com gols de Rodrigo Hardy e Jackson. Com o resultado, manteve a invencibilidade na competição.

 

No boxe, Roberto de Queiroz nocauteou o equatoriano Gustiniano Caicedo, enquanto Robenilson de Jesus superou o peruano Joel Angel Solis, no peso mosca, por 3 a 0.

 

O dia foi cheio para o tênis. Nas duplas mistas, Bruno Sant'anna e Gabriela Cé perderam por 2 sets a 1, com parciais de 7/5, 6/7 e 7/10, para os chilenos Nicolas Fillo e Camila Silva nas semifinais. Agora os brasileiros disputam a medalha de bronze. Já Rogerinho abandonou o jogo contra o argentino Facundo Bagnis. Ele venceu o primeiro set por 7/5, perdeu o segundo por 6/7 e deixou a quadra quando ganhava o terceiro por 3 a 1. Paula Gonçalves, por sua vez, disputará a final. A brasileira venceu a peruana Bianca Schereiber por duplo 6/3 e enfrentará a paraguaia Verônica Cepede Royg.

 

No vôlei de praia, agora os confrontos serão entre brasileiros. As quatro duplas chegaram às semifinais sem perderem um set sequer. Mas, devido ao regulamento da competição, a final não pode ser entre equipes do mesmo país. Assim, Emanuel/Pedro Solberg encara Alison/Bruno Schmidt e, no feminino, Talita/Taiana pega Lili/Duda.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoJogos Sul-AmericanosRio 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.