Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Em entrevista, Marin critica postura de Ronaldinho e sonha com Gallo após 2014

Presidente da CBF faz duras críticas ao comportamento de Ronaldinho e Ramires diante de convocações

O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2013 | 15h16

SÃO PAULO - Desde que assumiu o comando da CBF, em março de 2012, José Maria Marin vive seu melhor momento à frente da entidade. Com a seleção brasileira campeã da Copa das Confederações, o presidente da entidade máxima do futebol brasileiro admite que a vitória no Brasil em junho não é motivo de euforia, mas serviu para deixar alguns nomes mais longe do time de Felipão. Em entrevista publicada neste domingo pelo jornal O Globo, o dirigente fez pesadas críticas às posturas de jogadores como Ramires e Ronaldinho, além de projetar Alexandre Gallo como o próximo técnico do Brasil.

Um dos principais jogadores atuando no Brasil atualmente, a ausência de Ronaldinho na Copa das Confederações foi motivo de supresa, mas Marin dá a entender que a não convocação foi resultado pelo atraso do jogador na apresentação da seleção brasileira no amistoso contra o Chile, disputado em Belo Horizonte, onde o meia mora, no dia 24 de abril. "A seleção vai para a mesa do jantar e quem a o último a chegar? O anfitrião. Não dá!", critica o presidente da CBF, que mesmo assim não descarta o retorno do jogador no futuro. "Mas o comprometimento tem de ser total, dentro e fora do campo."

Quem parece não ter mais chances na equipe enquanto Marin estiver no comando da CBF é o volante Ramires. De acordo com o dirigente, sem citar nomes, um jogador preferiu um jantar à defender a seleção, fazendo menção ao volante do Chelsea, que marcou um compromisso de aniversário no dia 23 de março, exatamente no mesmo dia em que deveria se apresentar ao médico da seleção, José Luiz Runco, para ser examinado por causa de uma lesão que o deixou fora do amistoso contra a Itália. "Imagina se o Thiago Silva virasse para o grupo e falasse que não poderia aceitar uma convocação para enfrentar a Rússia e a Itália porque a mulher dele marcou um jantar com as amigas... jamais!", atacou Marin.

Sobre a vida da seleção brasileira após 2014, o presidente da CBF não esconde que já tem seus nomes favoritos para dar sequência ao trabalho de Felipão e Parreira. O projeto inicial é a manutenção de Luiz Felipe Scolari, mas se por acaso o treinador receber uma proposta e decidir sair, o favorito para a vaga é Alexandre Gallo, hoje  técnico da equipe Sub-20 do Brasil. "Se o Felipão tiver proposta e quiser sair, meu candidato é o Gallo. Quero aproveitar o Gallo com o Parreira. Se Felipão continuar, ficam Felipão e Parreira. Eu não mudo. Mas, se o Felipão não quiser continuar no futuro, o Gallo será o treinador", disse Marin, já confirmando que Gallo será o técnico na Olimpíada de 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.