Em jogo incrível, Djokovic é campeão

Sérvio vence final contra espanhol Rafael Nadal pela sexta vez no ano e confirma grande fase; [br]jogo leva mais de 4 horas

, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2011 | 00h00

NOVA YORK

Em partida épica, que durou quatro horas e dez minutos, o sérvio Novak Djokovic venceu o espanhol Rafael Nadal na final do US Open e conquistou pela primeira vez o torneio em Nova York. A fase do tenista é tão boa que, com os 3 sets a 1 (parciais de 6-2, 6-4, 6-7 e 6-1), ele venceu seu terceiro Grand Slam do ano - antes havia ganhado o Aberto da Austrália e o torneio de Wimbledon. O número 1 do mundo também bateu um rival que havia conquistado o US Open em 2010.

"É um sentimento incrível, estou tendo um ano fantástico e foi uma grande disputa com Nadal. É um torneio muito especial. Venci agora pela primeira vez e espero repetir a dose no próximo ano", afirmou Djokovic, visivelmente emocionado.

Suas marcas nesta temporada são impressionantes. Ele chegou a 64 vitórias em 68 partidas, conquistou dez torneios e está invicto em 2011 diante de Nadal, com seis vitórias, todas em finais.

Com números de fazer inveja, até o adversário reconheceu seu talento. "Tenho que dar os parabéns para ele, que tem feito um trabalho muito bom neste ano. Ele leva seu corpo ao limite, tentei ser agressivo, mas ele sempre tinha uma resposta. Lutei até o fim, mas perdi mais uma. Vamos ver no ano que vem", disse Nadal.

Djokovic venceu o primeiro set com boa vantagem, mas começou pior no game. Logo de cara, Nadal abriu 2 a 0, com uma quebra de serviço em cima do sérvio, que cometeu dois erros consecutivos. O vento forte na quadra central Arthur Ashe incomodava os dois atletas, mas o sérvio parecia estar melhor.

Tanto que de Djokovic igualou o marcador na sequência, quebrando o serviço do espanhol e depois sacando e salvando três break points. No final, vitória por 6 a 2.

O segundo set começou como o primeiro, com Nadal melhor e abrindo 2 a 0. Mas a partir daí Djokovic reagiu e foi possível ver muitos pontos extremamente disputados. Em alguns momentos a partida era visivelmente tensa.

Em um dos games mais disputados, o sérvio finalmente devolveu a quebra de serviço de Nadal e começou a crescer no set. O espanhol tinha muitos problemas no saque e Djokovic usava isso a seu favor. E foi numa dupla falta que o sérvio fez 3 a 2.

Mas Nadal não iria desistir tão facilmente. Com boas devoluções, acabou igualando o set em 4 a 4. Só que bobeou novamente e viu o adversário fazer 6 a 4, indo para o terceiro set com boa vantagem.

Com 84 minutos de duração, o terceiro set foi decidido apenas no tie-break, quando Nadal fez 7 a 3 e sobreviveu na partida. Os dois tenistas quebraram o serviço do adversário em três oportunidades e o set foi marcado por pontos que levantaram os torcedores nas arquibancadas.

Djokovic até poderia ter vencido, pois sacava com o placar mostrando 6 a 5 a seu favor. Mas Nadal mostrou força de reação, venceu e levou para o tie-break. E, sacando melhor, acabou superando o sérvio. O jogo foi para o quarto set. Quem esperava um equilíbrio após a reação de Nadal se surpreendeu. Mesmo tendo que receber massagem nas costas, Djokovic não deu trégua e fez 6 a 1. Vitoria. Não restava mais nada a não ser o beijo na quadra sagrada de Nova York.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.