Reuters
Reuters

Em jogo o título e a vaga em Londres

Seleção brasileira faz com o líder e já classificado Uruguai um clássico que vale o troféu da competição e a confirmação da sequência do sonho olímpico

Wagner Vilaron, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2011 | 00h00

O formato original do Campeonato Sul-Americano sub-20 não prevê a tradicional final. Mas o andamento do hexagonal decisivo, no qual as seis equipes classificadas se enfrentam, premiou a competição com uma legítima decisão. O clássico Brasil x Uruguai vai definir quem fica com o título, coincidentemente a partida que marca o encerramento da última rodada do hexagonal. Brasileiros e uruguaios entram em campo a partir de 0h10 deste domingo, no Estádio Monumental de La Unsa, em Arequipa, Peru.

A Celeste Olímpica está em vantagem. A equipe do atacante Luna, destaque nas cobranças de falta, lidera o hexagonal final com 10 pontos e garantiu presença nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. Por isso joga pelo empate. O Brasil está logo atrás, com nove, e precisa da vitória se quiser levar o troféu para casa.

Matematicamente, os brasileiros ainda não garantiram presença na Inglaterra. Isso porque a Argentina, que na preliminar enfrenta a eliminada Colômbia, tem seis pontos e também pode chegar aos nove. A segurança dos brasileiros está no primeiro critério de desempate, o saldo de gols. O Brasil tem seis, enquanto os argentinos estão zerados. Os próprios integrantes da delegação brasileira reconhecem que só uma tragédia vai impedir o País de disputar mais uma Olimpíada. "Estamos muito concentrados, mas temos consciência de nossa situação", observou o técnico Ney Franco. "Além disso, vamos a campo sabendo do que precisamos, pois a Argentina joga antes. Também tivemos a informação de que nossa classificação aqui no Peru vale também para o Pan-Americano (em Guadalajara, no México)."

O Brasil ainda conta com a volta de Neymar. Artilheiro da competição, com sete gols, o atacante teve de cumprir suspensão no último jogo - vitória por 1 a 0 sobre o Equador. "Rapaz, nunca sofri tanto. Não é bom ficar lá na tribuna. Meu negócio é mesmo dentro do campo", afirmou o craque, que acompanhou de fora o sofrimento do time para vencer os equatorianos. "Agora vamos motivados para essa final. Sabemos que o Uruguai é um bom time, já vimos alguns vídeos deles, mas sempre deixamos claro que viemos aqui para buscar o título. E é isso o que vamos fazer."

Esperança. Os jogadores brasileiros não negam que a conquista da vaga olímpica é o principal objetivo no Peru. O grupo, no entanto, é unânime em reconhecer que o título do Sul-Americano pode ter importância especial para quem já está junto há 60 dias, desde a fase de preparação em Teresópolis, em dezembro. "Pode não garantir, mas, sem dúvida, no final um trabalho vencedor conta para o seu currículo e para o julgamento das pessoas", afirmou o goleiro Gabriel, referindo-se à expectativa de estar no grupo comandado por Mano Menezes em Londres.

E, por falar em 2012, o clima na delegação uruguaia é de total alegria. Jogadores e integrantes da comissão técnica curtem cada minuto da festa que tomou conta do país após a confirmação da vaga. O Uruguai volta a disputar a competição depois de 84 anos:venceu em 1924 (Paris) e 1928 (Amsterdã). A força daquela equipe valeu o apelido que a seleção carrega: Celeste Olímpica.

Tudo o que sabemos sobre:
seleção brasileirafutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.