Rafael Bello/COB
Rafael Bello/COB

Em Lima, ciclismo pode quebrar um jejum de 60 anos sem ouro no Pan

Em ótima fase, Henrique Avancini tem grandes chances de quebrar o tabu brasileiro na prova de mountain bike neste domingo

Paulo Favero, enviado especial a Lima, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2019 | 04h32

O ciclismo brasileiro tem enormes chances de quebrar um jejum histórico nos Jogos Pan-Americanos, que estão sendo disputados em Lima. Desde 1959 que um atleta da modalidade não conquista uma medalha de ouro. A última foi de Anésio Argenton, que subiu ao lugar mais alto do pódio na prova do quilômetro contra o relógio no Pan de Chicago.

Agora, 60 anos depois, Henrique Avancini tem tudo para derrubar esse longo tabu. Ele compete neste domingo na prova de mountain bike e é o grande favorito. Não apenas pela ótima fase que vem tendo na temporada, mas porque seus principais adversários nas etapas internacionais são os ciclistas europeus, que não competem no Pan.

"Acredito que sou favorito. Sou o único atleta que não é da Europa no top 10 do ranking mundial. Sei que os atletas latinos competem com postura diferente em uma competição, no evento o pelotão também será menor e sei que será desafiador para mim, embora seja o grande favorito para o evento", comentou Avancini.

No Pan de Toronto, em 2015, ele acabou cancelando sua participação na competição e não representou o País. Mas agora está com muita vontade de entrar para a história, mesmo ciente de que em seu planejamento o Pan não ajuda tanto. "Sinceramente, logisticamente o Pan não faz muito sentido neste ano", explica o atleta da equipe CannondaleFactory Racing.

Para Entender

Pan-Americanos 2019: saiba como assistir ao torneio que será disputado em Lima

Competição vai ter transmissão ao vivo na TV aberta, fechada e online

"Dois fatores pesaram: o jejum de 60 anos de nossa primeira e única medalha de ouro no ciclismo e a única oportunidade para eu poder testar minha estrutura de equipe para os Jogos Olímpicos de Tóquio", comentou Avancini, reforçando que numa competição como o Pan o tamanho da equipe tem de ser mais enxuto do que está acostumado. Assim como na Olimpíada. "Preciso otimizar o nosso trabalho."

Além dele, que acabou de se sagrar mais uma vez campeão brasileiro, vai representar o País na prova de cross country olímpico (XCO) o mineiro Guilherme Muller. "Esta será a primeira vez que participarei de um evento deste porte e estou bastante ansioso. Será uma grande oportunidade", disse. No feminino, com prova também hoje, vai competir a experiente Jaqueline Mourão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.