Em Melbourne, a volta da emoção

Em Melbourne, a volta da emoção

Chuva fraca, toques entre os carros e muita disputa pelas primeiras posições. Schumacher e Alonso levam a pior

Livio Oricchio, O Estadao de S.Paulo

29 de março de 2010 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL

MELBOURNE

Como manda a tradição do GP da Austrália, aconteceu de tudo ao longo das 58 voltas na prova em Albert Park. Ainda no grid, os pilotos substituíram os pneus de pista seca pelo intermediários, já que a chuva não era intensa.

Na primeira freada, Alonso, da Ferrari, terceiro, ficou espremido entre Jenson Button, da McLaren (4.º), por dentro da curva um, e Michael Schumacher, da Mercedes (7.º), que corria por fora. Sem espaço para os três, a roda dianteira esquerda de Button tocou na lateral da Ferrari, que rodou. Alonso caiu para 18.º. Na confusão, Schumacher também danificou o aerofólio dianteiro da Mercedes e foi para o boxe, o que o fez desaparecer das primeiras colocações.

Um pouco mais para a frente, na primeira volta ainda, Kamui Kobayashi, da Sauber, perdeu o aerofólio dianteiro depois de sofrer um toque, e seguiu reto na curva 6, atingindo Nico Hulkenberg, da Williams, e Sebastian Buemi, da Toro Rosso. Na 4.ª volta, Charlie Whiting, diretor de prova, autoriza a relargada.

Schumacher, que perdera várias posições com a parada, ganhou a colocação de Timo Glock, da Virgin, mas leva o X. De novo compreende que sua volta foi bem-vinda, mas que ninguém está lá para lhe estender o tapete.

As lutas aconteciam em praticamente todas as colocações, tornando a prova espetacular. Alonso ganha posições a cada volta. Lewis Hamilton, da McLaren, que largara em 11.º, dava um show de competência, voando na pista. Lá na frente, Sebastian Vettel, da Red Bull, mantinha-se em primeiro, sem dificuldade, seguido por Button, o excelente Robert Kubica, da Renault, que saiu em nono, Rosberg e Massa.

Os duelos prosseguiam. Pouco depois da metade da corrida, algumas equipes chamaram seus pilotos para o segundo pit stop. Rosberg, Hamilton e Barrichello saíram dos seus carros em 5.º, 6.º e 8.º criticando seus times pela decisão de chamá-los para troca de pneus. "Parada desnecessária", definiu Rubinho. Já Hamilton disse que, sem o 2.º pit stop, poderia ter feito uma dobradinha com Button. Alonso comentou: "Pelo menos agora vão dar uma trégua de umas duas corridas antes de voltarem a falar de falta de emoção na Fórmula 1."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.