Satiro Sodré/SSPress/CBDA
Satiro Sodré/SSPress/CBDA

Em nota, Pinheiros defende nadador Gabriel Santos, reprovado em exame antidoping

Atleta foi pego pelo uso da substância clostebol, proibida pela Federação Internacional de Natação (Fina)

Redação, Estadão Conteúdo

27 de junho de 2019 | 19h06

O Esporte Clube Pinheiros divulgou nota, na tarde desta quinta-feira, afirmando que acredita na inocência de seu atleta, o nadador Gabriel Santos, cujo exame antidoping recente acusou positivo para a substância clostebol, proibida pela Federação Internacional de Natação (Fina).

O atleta de 23 anos foi submetido a um teste de urina no último dia 20 de maio, em prova disputada em São Paulo, e o resultado acusou a presença do anabólico sintético e, caso seja confirmada sua punição, poderá ficar de fora de boa parte da temporada, que é decisiva no ciclo olímpico de Tóquio-2020.

Para o clube, do qual o atleta já faz parte dos quadros há 12 anos, se houve o consumo da substância proibida, foi algo acidental. "Tomando conhecimento de que o Gabriel não fez uso de forma voluntária de nenhuma substância, afirmação que foi levada em consideração devido ao seu bom histórico comportamental e esportivo, o clube prestará a ele todo o suporte necessário, para que a situação seja esclarecida e cause o mínimo de impacto possível na carreira do atleta", afirmou a nota distribuída à imprensa.

O velocista é uma das grandes promessas da natação brasileira na atualidade. Gabriel Santos faz parte do time que vai disputar a prova do revezamento 4x100m livre no Mundial de Esportes Aquáticos de Gwangju, na Coreia do Sul, em julho, e que irá aos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru. Ele tem ainda oito dias para solicitar uma contraprova de seu exame se quiser evitar sua exclusão das duas competições.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.