Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Em Portugal, Gabriel Medina relaxa jogando futebol com amigos

Surfista brasileiro só retorna ao País na próxima quinta-feira; Última etapa do mundial será no Havaí e será válida pelo título do torneio

PAULO FAVERO, enviado especial a Peniche, O Estado de S. Paulo

21 de outubro de 2014 | 16h41

O surfista Gabriel Medina ainda está em Portugal e tem aproveitado o tempo para ficar mais perto da família. Eliminado precocemente da penúltima etapa do Circuito Mundial em Peniche, ele só volta para o Brasil na quinta-feira e nesta terça ele jogou bola com amigos e familiares, entre eles o também surfista Jadson André.

Em uma partida descontraída, ele atuou ao lado do irmão Felipe, da irmã Sophia e do pai Charles. Jadson, por sua vez, ficou na outra equipe, que tinha como goleiro Antonio José Correia, o prefeito de Peniche e um dos grandes incentivadores da prática do surfe na capital portuguesa.

O confronto terminou empatado por 6 a 6, mas serviu para divertir Medina e seus familiares após a frustração de não ter conquistado antecipadamente o título mundial na etapa de Portugal do Circuito Mundial. Agora, o brasileiro vai tentar a conquista inédita para o Brasil na última etapa do ano, em Pipeline, no Havaí.

Antes disso, ele retornará ao Brasil e a partir do dia 3 vai participar do SP Prime, na praia de Maresias, em São Sebastião, onde aprendeu a surfar. A competição é válida pela divisão de acesso do Circuito Mundial. Depois, no dia 16, o surfista vai para o Havaí, onde começará os treinamentos para a última competição do ano.

"Agora vou para casa e pretendo competir em Maresias. Vou ficar mais com minha família, aproveitar minha casa e meus cachorros. Faz tempo que não vou para lá, então quero ficar tranquilo, na minha. Quero também treinar bastante para chegar o mais preparado possível para o Havaí. É isso que vou focar a partir de agora", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
surfeCircuito MundialGabriel Medina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.