José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Clássico com Flu em SP termina em pizza para o Flamengo

Atletas comeram petisco logo após o apito final no Pacaembu

Paulo Favero, Estadão Conteúdo

20 de março de 2016 | 20h28

O Flamengo aproveitou a presença em São Paulo para comer algo muito famoso na capital paulista: pizza. Um estabelecimento próximo do estádio do Pacaembu ficou incumbido de levar dezenas de embalagens individuais para os vestiários no final do jogo com o Fluminense que terminou empatado por 0 a 0 e foi válido pelo Campeonato Carioca. Jogadores, comissão técnica e seguranças se deliciaram com as "redondas".

"Nós temos uma equipe de nutricionistas que indica sempre como devemos proceder. A intenção nesse caso foi fazer rapidamente a ingestão de alimentos depois do jogo para repor o que foi perdido pelos atletas", explica Rodrigo Caetano, diretor executivo de futebol do Flamengo.

As pizzas foram pedidas na Vica Pota, que fica bem próxima do Pacaembu. Segundo José Araújo, gerente da loja, foram encomendadas 90 brotinhos, o equivalente a quatro pedaços. "Eles queriam de calabresa, portuguesa e marguerita. Pediram para entregar na hora que o jogo acabasse. Saímos no horário e ela chegou quentinha", revela.

Não é a primeira vez que o Flamengo faz com que seus atletas comam pizza após a partida. Isso já ocorreu após outros duelos e outras vezes ela é substituída por massa. A intenção é que sejam carboidratos. Para Caetano, isso também faz parte de estar em São Paulo com o Flamengo. "Fomos muito bem acolhidos", diz.

O maior problema do clube na temporada tem sido o desgaste pelas viagens e maratona de jogos. Para se ter uma ideia, só neste mês a equipe já teve de atuar como mandante em Volta Redonda e Brasília, e na quarta-feira jogará em Juiz de Fora, contra o Atlético-PR, pela Copa Sul-Minas-Rio. "Vir para São Paulo seria a logística perfeita se não tivesse a parte aérea. Lamentavelmente não temos à disposição um estádio como o Pacaembu no Rio."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.