Marko Djurica / Reuters
Marko Djurica / Reuters

Em seis dias de Paralimpíada, brasileiros faturam quase R$ 3 milhões em premiação do CPB

Entidade anunciou que vai pagar R$ 160 mil por medalha de ouro em modalidades individuais

Caio Possati, Especial para O Estadão

30 de agosto de 2021 | 15h00

Para os atletas brasileiros, subir ao pódio não significa receber apenas uma medalha, mas ganhar uma premiação em dinheiro em reconhecimento aos feitos esportivos que realizaram. Na Paralimpíada de Tóquio até esta segunda-feira no Brasil, os atletas brasileiros conseguiram um total de R$ 2.950.400 em premiações pelas 35 honrarias conquistadas (12 ouros, 8 pratas, 15 bronzes), que colocam o País na 6ª colocação do quadro de medalha.

Antes do início dos Jogos Paralímpicos, o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) anunciou que iria pagar  R$ 160 mil para cada medalhista de ouro em modalidades individuais, R$ 64 mil para o medalhista de prata e R$ 32 mil para quem ficasse em terceiro lugar no pódio. Em modalidades disputadas de forma coletiva, por equipes, revezamentos e em duplas, o ouro vale R$ 80 mil para cada atleta, a prata, R$ 32 mil, e o bronze, R$ 16 mil.

"O esporte tem uma capacidade de resiliência que é inigualável. Esperamos ter muitas razões para celebrar logo depois do final dos Jogos Paralímpicos. Desejamos que os atletas possam buscar a realização de tudo aquilo que se prepararam ao longo desses cinco anos e que consigam a melhor participação da nossa história", afirmou Mizael Conrado, presidente do CPB

Individualmente, alguns competidores vão conseguir faturar mais do que os R$ 160 mil destinado ao campeão paralímpico. Isso porque eles disputaram mais de uma prova e tiveram êxito de ficar entre os três primeiros mais de uma vez. São os casos dos nadadores Gabriel Bandeira, Gabriel Araújo, Maria Carolina Santiago e Daniel Dias. Esses atletas acumularam medalhas.

Com um ouro individual, uma prata e um bronze em revezamento, Bandeira é, até agora, o atleta brasileiro que mais vai receber pelas três medalhas conquistadas: R$ 240 mil. O xará Gabriel Araújo, que detém uma medalha de ouro e uma de prata, vai embolsar R$ 224 mil. Esse dinheiro também serve para bancar parte do próximo ciclo paralímpico para quem tem a pretensão de estar também em Paris-2024. 

A pernambucana Maria Carolina Santiago vai receber um total R$ 192 mil, em reconhecimento pelo ouro e bronze individuais. E Daniel Dias, que também conquistou três medalhas, vai ganhar pelas três medalhas de bronze (dois individuais e um em revezamento) um total de R$ 80 mil.

Atletas-guia, calheiros, pilotos e timoneiros também serão gratificados, de acordo com Conrado. Eles receberão 20% do valor da maior medalha conquistada por seu atleta e 10% para cada uma das demais posições alcançadas no pódio. Os atletas-guia que vão receber do CPB são Bira, que acompanhou o campeão olímpico Yeltsin Jacques na prova dos 5000m da classe T11, e Felipe Veloso da Silva, que correu com Thalita Simplício para a prata nos 400m também da classe T11.

Atletismo e natação são as modalidades que mais farão o CPB abrir os cofres para premiar os atletas. Foi nas pistas e no campo do Estádio Olímpico de Tóquio que o Brasil mais conquistou medalhas de ouro, e a que mais está rendendo em premiação por enquanto: R$ 1.318.400 — já inclusos a gratificação para os atletas-guia. Até agora, são 13 medalhas, sendo seis douradas.

A natação também levou o Brasil ao pódio 13 vezes. Com quatro ouros, duas pratas e sete bronzes, os atletas da modalidade faturaram um total de R$ 992 mil. No judô, a terceira modalidade mais rentável até o momento da competição, a medalha de ouro de Alana Maldonado e os dois bronzes de Meg Emmerich e Lúcia Teixeira vão gerar R$ 224 mil em premiação.

Confira lista dos medalhistas e suas modalidade

Atletismo 13 (6 ouros, 3 prata, 4 bronzes) 

  • Ouro
  • Claudiney Batista (Lançamento de disco - F56) 
  • Elizabeth Gomes (Lançamento de Disco F52) 
  • Petrúcio (100m T47) 
  • Silvânia Costa (Salto em Distância T11) 
  • Wallace Santos (Arremesso de peso F55) 
  • Yeltsin Jacques (5000m T11) - Corre com o guia Bira

     

  • Prata
  • Alessandro Rodrigo (Arremesso de Peso - F11)
  • Thalita Simplício (400m - T11) - Corre com guia Felipe Veloso
  • Vinícius Rodrigues (100m T64)

     

  • Bronze
  • Cícero Valdiram (Lançamento de Dardo F57) 
  • João Victor Teixeira (Arremesso de Peso F37)
  • Julyana da Silva (Lançamento de Disco F57) 
  • Washington (100m T47)

Natação - 13 medalhas (4 ouros, 2 Pratas, 7 bronzes) 

  • Ouro
  • Gabriel Araújo (200m livre S2) 
  • Gabriel Bandeira (200m Borboleta S14)
  • Maria Carolina Santiago (50m Livre S13)
  • Wendell Belarmino (50m Livre S11)

     

  • Prata
  • Gabriel Araújo (100m Costas S2) 
  • Gabriel Bandeira (200m livre S14) 

     

  • Bronze
  • Beatriz Carneiro (100m peito SB14)
  • Daniel Dias (100m livre S5)
  • Daniel Dias(200m livre S5)
  • Maria Carolina Santiago (100m Costas S12)
  • Phelipe Rodrigues - (50m livre S10)
  • Revezamento 4x100m livre misto para classe S14 - Ana Karolina Soares, Débora Carneiro, Felipe Vila Real e Gabriel Bandeira - Bronze
  • Revezamento 4x50 livre misto de até 20 pontos - Patrícia Santos, Daniel Dias, Joana Neves e Talisson Glock

Halterofilismo - 1 medalha (1 ouro) 

  • Mariana D’Andrea (até 73kg)

Hipismo - 1 medalha (1 prata) 

  • Rodolpho Riskalla (Grau IV)

Judô - 3 medalhas (1 ouro e 2 bronzes) 

  • Ouro
  • Alana Maldonado (até 70kg)

     

  • Bronze
  • Lúcia Teixeira  (até 57kg)
  • Meg Emmerich (acima de 70kg)

Esgrima - 1 medalha (1 prata)

  • Jovane Guissone (Categoria B)

Tênis de Mesa - 2 medalhas (1 prata e 1 bronze) 

  • Bruna Alexandre (Classe 10) 
  • Cátia Oliveira (Classe 1-2)

Remo - 1 medalha (1 bronze) 

  • Renê Campos - (Skiff simples)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.