Em semana de vistoria do COI, obras olímpicas têm segundo dia de paralisações

Pelo segundo dia consecutivo, importantes obras para os Jogos Olímpicos no Rio seguem parcialmente paralisadas em razão de uma greve de operários. O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Pesada Intermunicipal do Rio de Janeiro (Sitraicp) afirmou, nesta terça-feira, não ter entrado em acordo com as construtoras e aguarda uma audiência no Tribunal Regional de Trabalho marcada para sexta-feira com o objetivo de definir os rumos do movimento.

RONALD LINCOLN JR., Estadão Conteúdo

19 de maio de 2015 | 18h21

A greve ocorre na semana em que a Comissão de Coordenação do Comitê Olímpico Internacional (COI) visita a cidade para verificar os preparativos para a Olimpíada. E os dirigentes da entidade não estão recebendo boas notícias. O estádio do Engenhão, que vai abrigar as competições de atletismo e futebol, está com 95% do contingente de operários em greve, segundo o consórcio que administra o local.

O Sitraicp pede um reajuste salarial de 8,5% e de R$ 40 reais na cesta básica para os trabalhadores, enquanto o Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon) oferece um aumento de 7,3%. "As empresas não estão conseguindo assumir os valores pedidos por causa da situação econômica em que o País se encontra", argumenta Renilda Cavalcanti, diretora de relação sindical e trabalhista do Sinicon.

"O valor pedido não está além da necessidade básica do trabalhador", defende Nilson Duarte, presidente do Sintraicp. Para ele, o Sinicon está insensível ao diálogo. "Os trabalhadores baixaram a pedida inicial de 15% para 8,5%, mas o Sinicon estipulou 7,3% e não quer negociar. Espero que na sexta consigamos um acordo de conciliação, caso contrário, vamos continuar na greve, tentando atender as regras da legalidade."

Duarte também contou que 70% dos operários que atuam no Complexo Olímpico de Deodoro aderiram à greve. O local é visto com cautela pelos organizadores dos Jogos após sofrer alguns atrasos nas obras. A Empresa Olímpica Municipal, responsável por gerenciar as principais construções para os Jogos, no entanto, garante que os serviços em Deodoro foram completamente restabelecidos nesta terça.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio-2016greveobrasOlimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.