Em somente dois meses, o Fluminense vai da glória à turbulência

Time entra em campo pressionado contra o uruguaio Nacional, às 21h50 desta quarta no Rio

BRUNO LOUSADA, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2011 | 00h00

RIO - Dois meses depois da conquista do título do Campeonato Brasileiro, o Fluminense está pressionado e pode até entrar em crise caso não vença o Nacional, do Uruguai, nesta quarta-feira, às 21h50, pela Taça Libertadores. A surpreendente eliminação para o Boavista na semifinal da Taça Guanabara, sábado, expôs os problemas do tricolor: a torcida está descontente com a insistência do técnico Muricy Ramalho em escalar o volante Edinho, reclama da queda de produção do sistema defensivo e do mau futebol desse início de temporada.

Para complicar, o técnico lamenta os muitos desfalques no ataque - Fred e Rodriguinho, contundidos, estão fora da partida no Engenhão, e Rafael Moura, com dores na região lombar, é dúvida. Sem contar que Emerson, autor do gol que deu ao time o título nacional, ainda não jogou este ano. Está machucado.

Fred, com dores na panturrilha esquerda, sofreu a nona lesão em dois anos de clube. Deco também está machucado há um bom tempo. E o meia Conca ainda luta para recuperar a velha forma e o bom futebol depois de operar o joelho no início do ano.

Diante desse cenário nada animador, o Fluminense tem de derrotar o Nacional para reencontrar a tranquilidade. Um tropeço vai deixar a vida da equipe mais complicada no Grupo 3 da Libertadores, pois a equipe, na estreia, empatou por 2 a 2 com os Argentinos Juniors, também em casa. Assim, o jogo de hoje ganhou aspecto de decisão e novo tropeço vai aumentar bastante a cobrança no clube carioca.

"Se não vencermos em casa, não vamos manter a parceria com torcida. Ela cobra bastante e tem o direito. Está apoiando e quer ver o time ganhando"", disse o meia Marquinho, ciente de que, no futebol, só as conquistas trazem valorização, paz e reconhecimento. "Precisamos dos três pontos, ainda mais na Libertadores. Depois, na próxima rodada, o jogo contra o América (México) será fora do País e muito mais difícil. Temos de vencer de qualquer jeito.""

O ex-atacante Washington, recém-aposentado, foi ontem às Laranjeiras para dar força aos colegas. "Não é um momento fácil. Todos sabiam que esse começo ia ser assim. Os adversários entram em campo marcando mais por ser o atual campeão brasileiro. Precisamos vencer"", disse. "O pessoal está empolgado para fazer uma grande exibição.""

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.