Em SP, experiências são rotina

Testes no futebol se tornaram comuns nos últimos anos. Em São Paulo, a Federação Paulista de Futebol (FPF) fez várias tentativas. Na maioria das vezes sem sucesso. Uma das experiências da entidade local foi com a arbitragem. Na edição do Campeonato Paulista de 2000, as partidas eram realizadas com dois árbitros em campo, um em cada metade, ambos com o mesmo poder de decisão. Os juízes puderam acompanhar os lances mais de perto e não precisaram se desgastar tanto. Mas a idéia não foi aprovada pelos clubes, que reclamaram da diferença de critérios de cada um em lances semelhantes. A Fifa cogitou fazer o mesmo, mas desistiu.Outra novidade da FPF foi a criação de pausa técnica no meio do 1.º e do 2.º tempos dos jogos, para que os treinadores conversassem com seus jogadores e alterassem esquema tático. Outra tentativa que não deu certo.Em 2002, a entidade causou polêmica ao definir o número de cartões como um dos critérios de desempate no Torneio Rio-São Paulo. Na semifinal, o São Paulo eliminou o Palmeiras por ter recebido 4 cartões amarelos, contra 7 do rival. A idéia foi abandonada.Hoje, no Brasil é sucesso o spray para separar a barreira da bola nas faltas. A Fifa ainda não adotou a técnica.

O Estadao de S.Paulo

10 de outubro de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.