Em termos de número, o Brasil está bem no ciclismo de estrada

Pela primeira vez nos Jogos Olímpicos, o País será representado por três competidores no feminino e masculino

Alessandro Lucchetti, estadão.com.br

23 de junho de 2012 | 07h22

SÃO PAULO - Pela primeira vez, o Brasil vai enviar uma equipe completa para as competições femininas no ciclismo de estrada. O país será representado em Londres pelas irmãs goianas Clemilda e Janildes Fernandes e pela cearense Fernanda da Silva Souza.

Boa parte dos méritos pela classificação pode ser atribuída às equipes do Vale do Paraíba pelas quais competem, que têm conseguido enviá-las para competir no exterior. As irmãs Fernandes defendem a São José/Kuota, e Fernanda pedala pela Funvic/Marcondes Cesar/Gelog/Pindamonhangaba.

O trio construiu a classificação acumulando pontos em competições de alto nível pelo continente. Em março, Clemilda venceu a Volta Ciclística de El Salvador, que contou com a presença de competidoras italianas e ucranianas de alto nível. Se viajassem menos ao exterior, a obtenção das vagas olímpicas seria impossível. "O ciclismo feminino é bem precário no Brasil. Temos poucas competições de bom nível. É preciso ir ao exterior para ganhar ritmo, experiência e acostumar a carcaça à dureza das competições mais difíceis", diz o técnico da equipe de Pindamonhangaba, Benedito Tadeu Azevedo Júnior, o Kid.

O argentino Francisco Manzo, técnico das irmãs Fernandes em São José, está empolgado. "O resultado delas em El Salvador foi ótimo. Acredito que podem até trazer uma inédita medalha para o Brasil." Antes de embarcar para Londres, as duas irmãs ainda vão representar a cidade nos Jogos Regionais, em Caraguatatuba.

O ciclismo é uma das modalidades em que o Brasil não conseguiu nenhuma medalha nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, ano passado. Mas isso não significa que os ciclistas nacionais vão passar vergonha em Londres.

No masculino, o Brasil também vai enviar equipe completa, com três ciclistas, graças à pontuação obtida no ranking das Américas da União Ciclística Internacional. Vão representar o país Murilo Fischer, Magno Nazaret e Gregolry Panizo. No contra o relógio, o sul-mato-grossense Magno Nazaret do Prado tem conseguido bons resultados, como a vitória na Volta do Uruguai, em abril. Ele deu fim a um jejum brasileiro de 41 anos numa das mais importantes provas ciclísticas do continente.

No Tour de San Luis, na Argentina, ele chegou a bater o espanhol Albert Contador, campeão da Volta da França em 2007 e 2009, no contra o relógio. Já Panizo foi campeão do Pan-Americano da Colômbia, em 2011. Fischer, quinto colocado no Mundial de 2005, mora na Itália, onde participa de competições do Circuito Pro Tour.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.