CBDA/Divulgação
CBDA/Divulgação

Em vídeo, novo presidente da CBDA exalta gestão e nadadores que irão ao Mundial

Miguel Cagnoni espera reerguer a entidade após a saída do antecessor, Coaracy Nunes, preso em operação da Polícia Federal

Rafael Franco, Estadão Conteúdo

19 de julho de 2017 | 17h58

Eleito novo presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) em 9 de junho do mês passado, Miguel Cagnoni divulgou um vídeo no site oficial da entidade, na tarde desta quarta-feira, para exaltar os primeiros passos que a sua gestão está dando e também para desejar sorte aos atletas da natação que viajam nesta quinta para Budapeste visando participação no Mundial de Esportes Aquáticos que está sendo realizado na Hungria - as disputas desta modalidade começarão neste domingo.

Após vencer eleição como representante principal da chapa Inovação e Transparência com larga vantagem sobre seus concorrentes, Cagnoni espera conseguir reerguer a combalida entidade após a saída de Coaracy Nunes, preso em abril em uma operação da Polícia Federal, batizada de Águas Claras, que investiga esquema de desvios de cerca de R$ 40 milhões em recursos públicos repassados à CBDA por meio de verbas do Ministério do Esporte que deveriam ser usadas apenas para fins esportivos.

A sua primeira vitória no cargo foi justamente ter conseguido liberar os nadadores brasileiros para disputarem o Mundial, no final do mês passado, quando convenceu a Federação Internacional de Natação (Fina) de que a CBDA conseguirá cumprir as exigências do máximo organismo da modalidade após a entidade brasileira sofrer até intervenção na Justiça depois da prisão de Coaracy. Este último, por sua vez, deixou a prisão com um habeas corpus também no fim de junho.

A Fina havia ameaçado não reconhecer a nova gestão e até impedir que os atletas brasileiros defendessem as cores do Brasil no Mundial de Budapeste, colocando o País em risco de competir sob a bandeira da própria entidade máxima da natação ou do Movimento Olímpico. Porém, após acertar a liberação dos atletas do Brasil para a competição, Cagnoni destacou nesta quarta-feira os primeiros passos que estão sendo dados pela nova gestão da CBDA, da qual ele assumiu a presidência sob grave crise financeira e institucional.

"Temos hoje uma nova diretoria financeira, uma área de controladoria, estamos contratando uma pessoa pra fazer a área de compliance (departamento responsável por garantir o cumprimento de todas as leis, regras e regulamentos da CBDA), temos também os primeiros passos para fazer a governança corporativa, que é um compromisso de campanha, e que é um compromisso que assumimos com vocês (nadadores da seleção brasileira que irão ao Mundial)", afirmou Cagnoni no vídeo divulgado nesta quarta, no qual lembrou que não poderá estar presente na Hungria para acompanhar o Mundial, pois quando ele assumiu a presidência da CBDA, em 12 de junho, o prazo de cadastramento de dirigentes para a competição já havia se encerrado.

No caso, os dirigentes que conseguiram se cadastrar foram os convocados pela gestão do interventor judicial, Gustavo Licks, antes da eleição que levou Cagnoni à presidência da entidade. Entre os que puderam ser cadastrados e foram mantidos para esta nova gestão é o ex-nadador Ricardo Prado, medalhista de prata nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, e que irá representar a diretoria da CBDA em Budapeste como coordenador geral de modalidades do organismo nacional.

"O fato é que, desde que a gente se elegeu, não houve como fazer o cadastro na Fina. A Fina não teve como cadastrar os novos dirigentes que deveriam fazer parte da delegação. Quem acompanhará a delegação é o Ricardo Prado, que também está imbuído do espírito de fazer tudo que for necessário para que a gente tenha uma seleção bem conduzida", ressaltou Cagnoni.

E o novo principal dirigente da CBDA, que também já foi presidente da Federação Aquática Paulista, fez questão de enfatizar também nesta quarta que este Mundial será a primeira grande competição com a presença de atletas do Brasil já inseridos dentro de um novo cenário na entidade nacional.

"Essa é a nova seleção brasileira, da nova CBDA, vocês (nadadores) fazem parte dela. É um momento que nos orgulha muito, pois nós cuidamos de todos os detalhes desta viagem para Portugal e da viagem que vocês vão fazer ainda pra Budapeste", disse Cagnoni no início da mensagem que gravou em vídeo, no qual em seu final o dirigente exaltou o peso que os competidores brasileiros têm para o organismo.

"A CBDA só existe por causa das competições e por causa dos atletas. E é justamente isso que nós estamos esperando, que nessa competição os atletas desempenhem o melhor possível. Que vocês possam fazer aquilo para o qual vocês se prepararam, que vocês (nadadores) consigam nesta competição os melhores resultados. Boa sorte a todos vocês e nós aqui estaremos torcendo para vocês", encerrou o dirigente ao falar diretamente para os 16 atletas do País que competirão nas provas de natação deste Mundial, entre eles o campeão olímpico Cesar Cielo, maior nome da história do Brasil na modalidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.