Kevin C. Cox / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP
Kevin C. Cox / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP

Eminem desafia a NFL e se ajoelha por Colin Kaepernick no intervalo do Super Bowl

Rapper mostra solidariedade ao ex-quarterback, notório por ter se ajoelhado durante o hino dos EUA em protesto à violência policial

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2022 | 10h15

Durante o show do intervalo da edição de 2022 do Super Bowl, a grande final do futebol americano nos Estados Unidos, o rapper Eminem ajoelhou-se em solidariedade ao ex-quarterback Colin Kaepernick. Em 2017, o atleta também se ajoelhou durante o hino dos Estados Unidos em protesto contra a violência policial contra negros. Ele foi expulso da liga. O rapper comprou a briga e deu de ombros para possíveis determinações da NFL.

A manifestação ocorreu durante o show do intervalo da partida entre Los Angeles Rams e Cincinnati Bengals. O ato de Eminem aconteceu logo após ele cantar a música Lose Yourself, na frente da multidão no SoFi Stadium em Inglewood, na região metropolitana de Los Angeles, na Califórnia.

Acontece que a National Football League (NFL), liga profissional de futebol americano dos Estados Unidos, teria negado o pedido de Eminem de se ajoelhar durante a apresentação, segundo informações da imprensa internacional. À época, na onda do movimento Black Lives Matter, a NFL, processada pelo atleta, pediu desculpas e afirmou que deveria ter agido de forma diferente no protesto liderado por Colin.

A NFL, segundo os jornais dos Estados Unidos, sabia que o rapper de 49 anos repetiria o gesto de Colin Kaepernick, então quarterback do San Francisco 49ers. Segundo o The New York Times, um porta-voz da NFL disse após o show que já era sabido que Eminem se ajoelharia durante sua apresentação. Ele, inclusive, vinha repetindo o feito nos ensaios. 

Como foi o show do Super Bowl

Unindo gerações do rap e hip-hop, Dr. Dre, Snoop Dogg, Kendrick Lamar, Eminem e Mary J. Blige fizeram Los Angeles, considerada uma das casas do movimento hip hop, dançar no show do intervalo do Super Bowl neste domingo. Com direito a carrão e palco com estrutura aberta e móvel, o quinteto contou com a participação especial, e surpresa, de 50 Cent para cantar seus sucessos e trazer o gingado do rap para o campo. Não precisa nem dizer que a torcida do futebol americano adorou.

Como é característico do Super Bowl, além do jogo, espera-se muito do show do intervalo. Mas o protesto não era uma situação que seus oprganizadores gostariam de lidar. Neste ano, Dr. Dre e Kendrick Lamar haviam dito que a atração seria a melhor da história, e pode ter sido realmente. Empolgação e ginga não faltaram para esses artistas.

Apostando em elementos característicos do rap e hip hop, como correntes grandes, carrões e brilho, o quinteto fez Los Angeles cantar e dançar. Com Snoop Dogg abrindo a apresentação em um cenário que lembrava uma festa na alta classe de Los Angeles, lugar que o estilo musical não era bem visto, cada um dos seis cantores trouxe grandes sucessos de sua carreira, como "Lose Yourself" de Eminem e "Family Affair" de Mary J Blige.

Apesar de ser um show único, cada um dos participantes teve o seu momento, em um determinado espaço do palco ou campo, para cantar. No fim, com a estrutura mudada, todos se juntaram no centro para encerrar a apresentação. O palco foi montado em um formato inovador, com cada cantor responsável por um "container" da locomotiva que, além de lembrar uma limusine, comandou o show do intervalo.

As apresentações começaram no interior dessas estruturas, mas as estrelas do rap e hip hop logo apareciam em posições mais altas e puderam ser vistos por todo o público presente. Mais uma vez, a NFL não deixou passar nada e tudo foi uma loucura para os fãs do futebol americano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.