Empate complica o Palmeiras

Time fica no 1 a 1 com o Sport e agora tem de vencer os dois últimos jogos para não depender de outros resultados

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

16 de abril de 2009 | 00h00

O Palmeiras não é mais o lanterna do Grupo 1 da Taça Libertadores, mas o resultado que o tirou da última colocação frustrou os mais de 20 mil torcedores que foram ao Palestra Itália na noite de ontem. O empate por 1 a 1 com o Sport não foi nada bom para suas pretensões de se classificar para as oitavas de final da competição.O time ainda só depende de suas forças para conquistar a vaga. Se vencer as duas partidas restantes, de preferência com boa vantagem de gols (o saldo pode definir os classificados, assim como fez o time ultrapassar a LDU ontem), conseguirá o que deseja. A chave ainda está embolada. Na semana que vem, o Palmeiras enfrenta os equatorianos, novamente em casa. Já o Sport (7 pontos, em 2º) recebe o líder Colo Colo. As duas vagas vão ser definidas mesmo nos jogos finais - os paulistas, em 3º lugar, com 4 pontos, vão ao Chile, no dia 29, jogar seu futuro na competição.Na terça-feira, Marcos havia dito que é "difícil um time ser campeão apenas com técnica e habilidade". Pois os palmeirenses realmente atenderam ao pedido do goleiro e deixaram o "futebol-arte" de lado. Em campo, um time vibrante e guerreiro, como Vanderlei Luxemburgo pediu tantas vezes. Um jogo com raras chances claras de gol e poucos erros - todos eles, porém, fatais.As falhas não partiram apenas dos jogadores de ambas as equipes. Quando Armero cruzou pela esquerda e a bola bateu no peito de César, o juiz Roberto Silvera anotou pênalti para os donos da casa. "Ele brincou, mas fazer o quê? Mostrei até a camisa onde pegou (a bola)", reclamou o zagueiro do Sport. Keirrison, alheio às broncas do rival, fez 1 a 0 aos 14 minutos.Outra mancada da arbitragem veio ainda na primeira etapa, com um impedimento mal marcado, em lance que resultou em gol do Palmeiras - embora a defesa do Sport já tivesse parado na jogada. Os paulistas não quiseram deixar apenas o dono do apito errar. Com o jogo dominado, bastava apenas se proteger da falta cobrada por Paulo Baier, no último lance da etapa inicial. E alguém conseguiu mandar a bola para longe? Ela sobrou para Wilson, livre, empatar. "A falha de marcação não pode acontecer", lamentou Maurício Ramos. Na comemoração, o atacante do Sport foi expulso. "Só levantei a camisa e ele me deu amarelo (o segundo). Eu estava comemorando o gol."Como esperado, o Palmeiras partiu para cima no segundo tempo. Ortigoza, Evandro e Marquinhos entraram para dar ofensividade ao time. Diego Souza teve três boas chances - na última delas, no fim, a bola passou perto da trave direita. O Sport se fechou e suportou a pressão alviverde. Marcos apenas assistiu aos últimos 45 minutos. O jogo de ontem lembrou a partida do Recife, com os times em papéis invertidos: um no ataque, outro firme atrás.Com a frustração pelo empate, o Palmeiras começa a pensar no Santos. No sábado, precisa vencer para chegar à final do Campeonato Paulista. Para não ter nova decepção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.