Empate custa caro

Corinthians vacila, fica no 1 a 1 com o Vitória, na Bahia, e perde a liderança para o Fluminense, que goleia o apático São Paulo e pode ser campeão no domingo

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2010 | 00h00

A liderança parece fazer mal ao Corinthians. Pela quarta vez, o time deixa a ponta do Campeonato Brasileiro escapar. Desta vez, em momento decisivo. Restando apenas duas rodadas para o fim, não depende mais só de seus resultados para ser campeão. Tudo por ter cedido o empate ao Vitória (1 a 1), ontem, em Salvador, e pelo fato de o Fluminense ter goleado o apático São Paulo por 4 a 1, em Barueri, em confronto polêmico.

Curiosamente, um pênalti que havia levado a equipe ao topo agora lhe custou a primeira colocação. O Alvinegro vencia o Vitória por 1 a 0 no Barradão, mas permitiu a igualdade, depois de um toque de mão de Ralf na área - a penalidade foi bem cobrada por Viáfara.

O prejuízo de cair para a segunda posição não é o único que o Corinthians traz de Salvador. Ronaldo sofreu lesão muscular na coxa direita aos 27 minutos da primeira fase e o time ainda viu o volante Elias receber o terceiro cartão amarelo. Não encaram o Vasco, domingo, no Pacaembu. Por outro lado, voltam Dentinho e Bruno César.

Com a perda do primeiro lugar, o Corinthians tem de ganhar seus dois jogos e torcer para os reservas do Palmeiras, no interior de São Paulo (perdeu o mando), ou para o quase rebaixado Guarani, no Rio, tirarem pontos do Fluminense. A equipe de Muricy Ramalho pode levantar a taça no domingo caso vença o Palmeiras e os corintianos percam para o Vasco.

O empate foi ruim para os dois times e ambos deixaram o Barradão reclamando. O Vitória, que luta contra o rebaixamento, se irritou com um possível pênalti não dado por Simon e um impedimento de Júnior, que estava em posição duvidosa. Do lado corintiano, chiadeira por causa do pênalti dado para os baianos e, principalmente, por causa das boas chances perdidas, casos de Jorge Henrique, cara a cara, no primeiro tempo, e Danilo, no fim, ao dominar no peito e chutar fora.

O meia, substituto de Bruno César, suspenso, porém, não pode ser considerado culpado pela perda do primeiro lugar. Danilo correu bastante, movimentou-se, e foi dele o primeiro gol do jogo. O camisa 11 recebeu de Roberto Carlos, tabelou com Ronaldo e abriu o placar aos 20 minutos. O Fenômeno já havia deixado Jorge Henrique na cara de Viáfara, mas ele se desesperou e chutou em cima do goleiro.

O Corinthians dominava, administrava, até surgir o lance polêmico do pênalti. A bola bateu na mão de Ralf e Simon deu pênalti, convertido por Viáfara.

Os baianos queriam a expulsão do volante que já tinha cartão amarelo e os corintianos, que a falta não fosse apitada - alegando que o jogador não teve a intenção de pôr a mão na bola. "Foi uma falta como qualquer falta. Pênalti, sem a necessidade de cartão", justificou-se Simon.

Na segunda etapa, já sem Ronaldo, os paulistas mais passaram sufoco do que assustaram. O goleiro Júlio César fez duas grandes defesas. No fim, o Corinthians saiu de campo com mais um ponto, ainda invicto sob o comando do técnico Tite, mas dizendo que o "Fluminense tem tudo para ser o campeão, pois tem um ponto a mais e jogos fáceis".

CHAVES DO JOGO

Falta de pontaria

Corintianos tiveram boas chances de marcar, mas falharam na hora do arremate

Ausência de Ronaldo

Com a saída de seu astro, o time se perdeu em campo, permitindo ao Vitória crescer e assustar

Boas defesas de Júlio César

Goleiro mais uma vez apareceu bem, fazendo grandes defesas. Não fosse ele, o time teria perdido

Afobação baiana

Donos da casa mostraram muito desespero na hora de marcar os gols que afastariam a equipe do sufoco contra o rebaixamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.