Empate dará taça inédita ao time de Josué e Grafite

Liderado por dois brasileiros, o primeiro título profissional nos 64 anos de história do Wolfsburg está muito próximo. Basta um empate hoje, às 10h30, contra o Werder Bremen, para que o time do capitão Josué e do artilheiro Grafite levante o troféu do Campeonato Alemão diante de sua torcida. A equipe do técnico Felix Magath chega à última rodada com 66 pontos e seus principais concorrentes, Bayern de Munique e Stuttgart, ambos com 64, se enfrentam no mesmo horário, em Munique. Para facilitar ainda mais, pega um Werder desmotivado pela derrota na final da Copa Uefa, para o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia.O time da cidade de Wolfsburgo, que também conta com os brasileiros Rodrigo Alvim e Caiuby, tem no atacante Grafite e no volante Josué seus principais expoentes. Recém-convocado novamente para a seleção brasileira, Josué comanda o meio de campo da equipe e as boas atuações deram a braçadeira de capitão ao ex-jogador do São Paulo.Já o outro ex-atleta da equipe paulista, Grafite, é forte candidato a melhor jogador do campeonato. Mesmo de fora da lista de Dunga, o atacante vive um momento especial na equipe alemã. Autor de um dos gols mais bonitos da temporada, o atacante é o artilheiro do Campeonato Alemão, com 26 gols. A dupla de ataque com o bósnio Edwin Dzeko é a principal responsável pela boa campanha da equipe e pode chegar a um recorde hoje. Está a apenas dois gols dos 53 marcados por Gerd Muller e Uli Hoennes na temporada 1972/73, pelo Bayern. Dzeko é o vice-artilheiro da competição, com um gol a menos que o brasileiro.Correndo por fora, Bayern e Stuttgart fazem um jogo que promete bastante emoção. Um empate entre as equipes, que elimina qualquer chance de título para ambas, é ainda pior para o Stuttgart. O time ocupa a terceira posição e tem a vaga na próxima Liga dos Campeões ameaçada pelo Hertha, 63 pontos, que nesta rodada enfrenta o já rebaixado Karlsruhe.Mesmo com a desvantagem, o Bayern recorre ao passado para manter a esperança no título. Ex-jogador e ídolo da equipe, Lothar Matthaus, lembrou a rodada final do Alemão de 2000, quando o time precisava vencer o Werder Bremen e torcer por uma derrota do então líder Bayern Leverkusen. O favoritismo era tão grande que a federação alemã já havia até preparado a festa em Leverkussen, mas uma derrota por 2 a 0 para o inexpressivo Unterhaching mudou tudo. O Bayern venceu seu jogo por 3 a 1 e a taça teve de ser transportada de helicóptero até Munique.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.