Empate faz Palmeiras jogar a toalha

Empate faz Palmeiras jogar a toalha

Time fica no 2 a 2 com o Rio Branco, em Araraquara, e agora se concentra apenas na disputa da Copa do Brasil

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2010 | 00h00

O que já era difícil ficou quase impossível. Com o empate por 2 a 2 com o Rio Branco, em Araraquara, na noite de ontem, o Palmeiras deu virtualmente adeus às semifinais do Campeonato Paulista. Com 23 pontos, caiu para o 10.º lugar e vê a cada rodada seus rivais se distanciarem, a três jogos do término da 1.ª fase.

Mesmo sem estar matematicamente eliminado, os próprios jogadores já jogaram a toalha - para chegar à etapa final, o time tem de vencer todas as partidas e torcer contra seis concorrentes. "Com todo o respeito, não ganhamos um jogo como esse e não merecemos ir à semifinal", disse meia Lincoln. "Amargamos um empate que nos deixa fora da próxima fase", lamentou Pierre. "Agora é pensar na Copa do Brasil", falou o volante.

A competição nacional virou o foco principal. Na quarta-feira, o desafio é contra o Paysandu, no Palestra Itália, e basta um empate para chegar às oitavas de final. Mas a torcida está preocupada. Ontem, a noite terminou com vaias na Fonte Luminosa.

O jogo mostrou novamente a instabilidade da equipe, que no domingo já havia perdido da Ponte Preta, por 2 a 0, em casa. E deixou clara a sua deficiência em enfrentar times que jogam recuados e estão na zona de rebaixamento. O Rio Branco, até então lanterna, soube se fechar e atuar nos contra-ataques.

A partida teve bastante movimentação - e o Palmeiras pouco se aproveitou da fragilidade dos donos da casa. Em cinco minutos, Ewerthon fez duas boas jogadas, mas chutou fraquinho. Logo depois, Diego Souza acertou a trave de Cristiano.

De tanto insistir, o Palmeiras chegou ao primeiro gol - Cleiton Xavier achou Diego Souza na área para fazer 1 a 0, aos 17. O Rio Branco não se assustou e virou o resultado em seguida, com Alex Terra e Romarinho. A zaga alviverde falhou duas vezes. "Tomamos gols que não podemos", lamentou Diego Souza. Ainda no primeiro tempo, Ewerthon empatou e Eduardo também acertou a trave.

A etapa final teve apenas um dono. Antônio Carlos mudou o time, colocou Lenny, Lincoln e o jovem Vinícius, de apenas 16 anos, mas toda a ofensividade não resultou em gol.

Cleiton Xavier tentou duas vezes; Robert e Lincoln também arriscaram. A melhor chance veio com Pierre, já nos acréscimos: Cristiano mandou a bola para fora. Durante toda a partida, Marcos pouco trabalhou. O Rio Branco, apesar de o empate ser um péssimo resultado, preferiu garantir um pontinho a se arriscar e levar o terceiro gol.

Nos três jogos restantes (Mirassol, Oeste e Paulista, os dois primeiros no Palestra), a diretoria pede o apoio da torcida e promete diminuir o preço dos ingressos nos confrontos em casa. Tenta assim amenizar as críticas que a cada rodada só aumentam. Com apenas 47,9% de aproveitamento no Estadual, só resta ao time apostar suas fichas na Copa do Brasil.

Palmeiras 2

Rio Branco 2

Gol: Diego Souza aos 17, Alex Terra aos 20, Romarinho aos 23 e Ewerthon aos 34 minutos do primeiro tempo.

RIO BRANCO (3-5-2): Cristiano; Márcio, Vinícius e Airton; Jobinho (Carlinhos), Márcio Carioca, César, Francisco (Ricardo) e Maurim; Romarinho (Guaraci) e Alex Terra. Técnico: Marcos Ribas.

PALMEIRAS (4-4-2): Marcos; Eduardo (Lincoln), Léo, Danilo e Armero; Pierre, Márcio Araújo, Cleiton Xavier e Diego Souza; Ewerthon (Lenny) e Robert (Vinícius). Técnico: Antônio Carlos.

Juiz: Marcelo Ribeiro de Souza.

Cartão amarelo: Eduardo, Diego Souza, Márcio Carioca, César, Pierre, Airton, Vinícius e Cristiano. Vermelho: Maurim.

Renda: Não divulgada (6.477 pagantes). Local: Fonte Luminosa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.