Encanto à chinesa - Parte 2

Pequim prepara outra festa grandiosa para entregar a Londres a honra de organizar os Jogos

O Estadao de S.Paulo

24 de agosto de 2008 | 00h00

É pouco provável que a China volte a assombrar o mundo no espetáculo de encerramento da Olimpíada da mesma maneira que na abertura, há 16 dias, mas o cineasta Zhang Yimou promete surpresas no show que terá início às 9 horas de hoje (de Brasília), entre as quais estará a performance de 350 estudantes de kung-fu.Auxiliados por suportes colocados em ambas as pernas, os lutadores deverão desafiar a gravidade e voar no centro do Ninho de Pássaros, o principal estádio da Olimpíada de Pequim. O espetáculo terá ainda a participação de 60 músicos de erhu, um instrumento típico chinês que parece um violino de duas cordas.CHAMA EXTINTAComo na cerimônia de abertura, os detalhes do encerramento são mantidos em segredo, mas Zhang Yimou afirmou ao jornal oficial China Daily que o ápice do espetáculo ocorrerá no momento em que for extinta a chama olímpica.O diretor também já declarou que o clima do encerramento será mais festivo que o da abertura, dedicada à exaltação da grandiosidade da civilização chinesa. "Nós queremos criar uma atmosfera de alegria na cerimônia de encerramento. A mensagem é dizer tchau, com a promessa de um novo encontro daqui a quatro anos", disse Zhang Yimou ao China Daily. O espetáculo deverá ter a participação do tenor espanhol Plácido Domingo e da soprano chinesa Song Zuying, segundo o site eastday.com, que atribuiu as declarações a um dos diretores da cerimônia, Tao Chun.Os oito minutos finais serão reservados aos ingleses, os anfitriões da Olimpíada de 2012, em Londres. O breve show terá o veterano ídolo pop Jimmy Page, de 64 anos, guitarrista do legendário Led Zepellin, e a nova estrela do R&B Leona Lewis, de 23, que deverá chacoalhar os quadris da platéia. Os britânicos também apresentarão três companhias de dança, cada uma com um estilo próprio: CandoCo, ZooNation e Royal Opera House. Para os chineses, o astro mais conhecido será o jogador de futebol David Beckham, ativo defensor da candidatura de Londres.BANDEIRAA entrega da bandeira olímpica em Pequim para o prefeito da capital britânica, Boris Johnson, será celebrada com um concerto para 40 mil pessoas em Londres, com a participação de Michael Phelps, o nadador que acaba de realizar o inédito feito de conquistar oito medalhas de ouro em uma Olimpíada.A escala da cerimônia de encerramento será bem menor que a de abertura, que contou com a participação de 14 mil atores e dançarinos, em uma performance que seria impossível no Ocidente, de acordo com Zhang Yimou. Em entrevista ao jornal Southern Weekend, o cineasta declarou que as restrições sindicais tornariam inviável a realização do mesmo espetáculo em qualquer outro país, com exceção da Coréia do Norte."Eu dirigi óperas no Ocidente e foi muito difícil. Eles só trabalham quatro dias e meio por semana. Todos os dias há duas pausas para o café e não há horas extras de nenhuma maneira. Não pode haver nenhum tipo de desconforto por causa dos direitos humanos. Isso poderia me preocupar terrivelmente", declarou Zhang Yimou.Apesar de o show de encerramento ser menos grandioso, os chineses acreditam que ele poderá ser tão ou mais impactante que o de abertura.Pesquisa realizada pelo China Daily indica que 47% dos leitores avaliam que o show de despedida será melhor, enquanto 21% sustentam que será tão bom quanto o anterior. Apenas 32% disseram ser impossível repetir o feito da cerimônia do dia 8.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.