Encontro de fã e ídolo no Pacaembu

Dida, veterano goleiro da Portuguesa e inspirador do atual dono da posição do Corinthians, serão atração à parte esta noite

FÁBIO HECICO, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2012 | 03h03

Dida está eternizado entre os melhores goleiros que vestiram a camisa corintiana. Cássio tenta seguir o caminho do ídolo e também escrever seu nome na história do clube. Admirador e inspirador, dois gigantes de 1,96 m, estarão frente a frente hoje, mesmo que em lados opostos do campo, às 21 horas, no jogo entre Corinthians e Portuguesa no Pacaembu, pelo Brasileiro.

Ambos entram pressionados. O veterano de 38 anos terá a missão de frear o campeão da América, que vem de duas vitórias seguidas e quer embalar de vez no torneio, além de ajudar a afastar a Lusa da zona de risco de queda.

Já o ainda jovem Cássio, com 25 anos recém-completados, joga para apagar a fama de que a defesa corintiana virou uma peneira apos a saída de Leandro Castán para a Roma.

Depois de não levar gols diante do Flamengo - o primeiro jogo na competição no qual o setor defensivo corintiano passou ileso -, ele tenta repetir a dose para ajudar o Timão a subir mais algumas posições na tabela.

Uma coisa é certa. O torcedor que for ao estádio verá uma bela batalha debaixo das traves, entre um ídolo corintiano (foram 94 jogos de Dida e quatro títulos, entre eles o Mundial de 2000) que brilhou na seleção brasileira e um candidato a herói da torcida alvinegra (Cássio fará apenas sua 16ª aparição e já ganhou a Libertadores), e que sonha com a amarelinha.

E também acompanhará um momento de tietagem. Com a vida mudada nos últimos dias, Cássio ainda não se acostumou com a fama e com tantos pedidos de autógrafos e fotos. Atende a todos os torcedores e espera que, esta noite, Dida também não recuse seu pedido.

"Com certeza vou falar com ele, um cara de experiência muito grande, campeão por onde passou. É sempre bom conversar com esse tipo de pessoa, que tem algo falar, para te ajudar, esclarecer uma dúvida. E quero trocar a camisa com ele, é uma pessoa que só vejo falar coisas boas, um profissional brilhante", admite, eufórico com o encontro, o goleiro Cássio. "Sempre me inspirei com ele, cresci admirando suas defesas", garante.

Hoje, não. Cássio, contudo, esta noite estará na torcida para que seu grande ídolo não esteja em uma jornada iluminada, como acompanhou por toda sua infância e adolescência.

Como o Corinthians ainda acredita em briga pelas primeiras posições, fazer valer o mando de campo virou necessidade para a dura missão de tirar muitos pontos de diferença para os líderes do Nacional.

"Realmente vai ser um jogo muito difícil, a Portuguesa vai querer se recuperar em cima da gente (levou 2 a 0 do Cruzeiro, no Canindé). Esperamos um grande duelo, mas que o Corinthians saia vitorioso", diz o goleiro.

À beira do zona de queda, a Lusa não esconde que jogará mais precavida. Por outro lado, o Corinthians também deve entrar com mais cautela, já que o herói Danilo será poupado por causa do desgaste físico. E Alessandro deve ficar no banco, também preservado após série cansativa.

No lugar do armador que fez nove de seus 10 gols no Pacaembu, entra Edenílson, com Weldinho na ala. Na frente, Romarinho será mantido, com Jorge Henrique fica de novo no banco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.