Encontro marcado com o passado

Marcelinho, ídolo corintiano, defende Santo André contra ex-clube. Giovanni, ex-Santos, faz o mesmo pelo Mogi

Amanda Romanelli e Bruno Deiro, O Estadao de S.Paulo

14 de março de 2009 | 00h00

A torcida do Corinthians vive dias fenomenais com a presença de Ronaldo, embora esteja de folga neste domingo. No Santos, o garoto Neymar, de apenas 17 anos, faz o torcedor santista voltar a sonhar. Hoje, porém, é dia de nostalgia para as duas torcidas alvinegras. Contra o Santo André, no ABC, às 16 horas, o torcedor corintiano reverencia Marcelinho Carioca, quinto maior artilheiro da história do clube, com 206 gols. Já os santistas reveem Giovanni em ação no Pacaembu, às 19h10, desta vez com a camisa do Mogi Mirim.Marcelinho Carioca e Giovanni viveram o auge há 14 anos. Em 1995, foram protagonistas em uma temporada inesquecível para seus antigos times. Os corintianos não tiram da cabeça, por exemplo, o gol de Marcelinho que lhe valeu o título da Copa do Brasil daquele ano, em cima do Grêmio, no Olímpico, em Porto Alegre. No Santos, Giovanni teve atuações memoráveis na campanha que culminou com o vice no Brasileiro, nas finais com o Botafogo. Nos anos seguintes, voltariam a defender seus ex-clubes, sem o mesmo sucesso. Marcelinho até conquistou títulos importantes nos dois retornos ao Corinthians, mas não teve o mesmo papel fundamental. Já Giovanni nem isso conseguiu (veja entrevistas abaixo).Na Série B, no ano passado, Marcelinho reencontrouo Corinthians por duas vezes defendendo o Santo André. Em ambas, foi aplaudido. No primeiro duelo, marcou no empate por 1 a 1, mas fez questão de vestir a camisa e beijar o distintivo alvinegro após a partida. Já para o meia Giovanni será o primeiro reencontro com a torcida santista atuando como rival. Hoje, os dois vivem momentos distintos no futebol paulista.No Santo André, Marcelinho fez um gol e voltou a aparecer para o futebol, aos 37 anos. A boa campanha da equipe do ABC ajuda. Na luta por um lugar nas semifinais do Paulista, começou a rodada entre os quatro primeiros e soma 25 pontos. Vem de três goleadas - a última delas 4 a 0, em casa, sobre o Mogi, de Giovanni. O Mogi Mirim, por sinal, não tem sido um bom lugar para o veterano meia de 36 anos rever seu melhor futebol. Lanterna do torneio estadual, venceu apenas duas vezes no Estadual e soma 9 pontos. Nem trocar de treinador no meio da competição adiantou. Saiu Luiz Carlos Ferreira e chegou Giba, mas os maus resultados continuaram. Com atuações apagadas, Giovanni ainda não marcou.A esperança do torcedor é de que o time repita a boa atuação do jogo contra os reservas do São Paulo, domingo passado. Em sua melhor apresentação, venceu por 2 a 0 diante de sua torcida e ganhou novo ânimo para a difícil missão de fugir do rebaixamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.