Enfim, Mano dá uma chance a Lucas

Técnico escala meia do São Paulo ao lado de Ronaldinho, Neymar e Borges contra os argentinos esta noite

SÍLVIO BARSETTI / BELÉM, ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2011 | 03h04

Mano Menezes optou por um time ofensivo para enfrentar a Argentina, esta noite, em Belém. Essa iniciativa, aparentemente óbvia, pela tradição do futebol mais vezes campeão do mundo, deixou de ser uma praxe na seleção nos últimos anos. Desta vez, no entanto, o técnico escalou o que há de melhor do meio para frente. Deu chance a Lucas e a Borges, artilheiro do Campeonato Brasileiro. Os dois vão atuar próximos a Ronaldinho Gaúcho e Neymar. Pelo menos no papel, a seleção vem credenciada a dar espetáculo em Belém.

Com relação ao time do primeiro jogo do Superclássico das Américas, dia 14, na Argentina, há várias alterações. Sem Leandro Damião, contundido, a vaga no ataque é de Borges. Lucas, talento do São Paulo, entra no lugar de Renato, do Flamengo, que nem sequer foi chamado para o confronto de hoje. No meio, Paulinho, desconvocado por causa de um edema na panturrilha, vai ser substituído por Rômulo, do Vasco.

Na defesa, outra mudança. Mano Menezes deixará Kléber na reserva. Quer ver em ação Cortês, do Botafogo, que também passa por uma grande fase.

Mano Menezes deve escalar no decorrer da partida Diego Souza, que vem se destacando pelo Vasco. Apesar de só poder contar com jogadores que atuam no Brasil, seria possível formar um time ainda mais forte se Leandro Damião e Ganso não estivessem contundidos.

Como há a possibilidade de o título do Superclássico das Américas ser decidido nos pênaltis - basta que haja um empate -, Ronaldinho Gaúcho e Neymar treinaram cobranças ao final do treino de ontem, no Mangueirão. Tiveram bom aproveitamento.

"A minha escolha pelo Borges é pela fase muito boa dele no Santos. Estou lhe dando esta oportunidade, pois nos próximos dois jogos vou ter o Fred. Quanto ao Lucas, ele era uma opção que eu estudava havia muito tempo. Com ele, vamos ter de armar o time de modo diferente, a característica da equipe vai mudar, sacrificando um pouco mais a retomada de bola e tendo de prender mais um dos laterais", disse Mano, que definiu a escalação de Rômulo como volante para dar mais proteção à zaga.

Depois do jogo com a Argentina, o Brasil tem dois compromissos para outubro: contra Costa Rica, dia 7, em San José, e México, dia 11, em Torreón. Nas duas partidas, Mano vai poder contar com atletas de times europeus.

Reclamação. Mano deixou claro seu descontentamento com a decisão da organização do Superclássico de permitir que a Argentina escale jogadores que atuam no exterior - se referia aos atletas em atividade no Brasil, Guiñazú, Montillo e Bolatti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.