Entenda a classificação funcional da Vela na Paralimpíada

Entenda a classificação funcional da Vela na Paralimpíada

Um sistema de pontuação baseado no nível de habilidade permite que atletas com diferentes tipos de deficiência possam competir juntos. Após a avaliação dos atletas pelo Comitê classificador, são concedidos pontos, baseados em suas habilidades funcionais, que vão de um a sete, indo do mais baixo ao mais alto nível de funcionalidade, respectivamente. Os atletas com deficiência visual são situados em uma das três classes de competição, baseadas em sua acuidade visual e campo de visão.

29 de agosto de 2012 | 23h30

 

Para assegurar a participação de atletas com toda contagem de pontos e todas as classes de deficiências, há um ponto máximo que a equipe de três atletas não pode exceder: a pontuação agregada não pode ser maior do que 14, o que permite aos velejadores com mais deficiência participar das competições.

 

Na classe de barcos SKUD-18, os velejadores são classificados como TPA ou TPB. Os velejadores são classificados como TPA quando eles são adjudicados em um ponto pela classificação funcional, ou quando completando mais de um ponto, têm a pontuação funcional do membro superior em 80 pontos ou menos na combinação de ambos os braços, juntamente com uma perda de 30 pontos no melhor braço.

 

Os velejadores são classificados como TPB quando eles têm ao menos uma deficiência mínima que os torna elegíveis para velejar. Pelo menos um dos velejadores precisa ser mulher. Para a classe de barcos 2.4mR os velejadores apenas precisam possuir uma deficiência mínima.

 

Fonte: Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.