Entidades mostram cautela em caso de doping de Gay

Apesar de Tyson Gay ter admitido, neste domingo, que caiu no doping e ter decidido se retirar voluntariamente das competições, a USADA (Agência Antidoping dos EUA) pediu cautela para que o norte-americano não seja julgado precipitadamente. A entidade teme que a imagem de Gay seja ferida sem que ele mereça.

AE-AP, Agência Estado

14 de julho de 2013 | 15h32

Em nota, a USADA afirmou que "aprecia" a forma como ele lidou com a situação e sua decisão de se retirar voluntariamente das competições enquanto o caso não é julgado. "Em todos os casos todos os atletas são inocentes até que se prove o contrário em processo legal. Até lá, qualquer tentativa de sensacionalismo ou especular é um desserviço ao processo, ao fair play, e a todos que amam o esporte limpo", completou a entidade, dizendo que a contraprova será feita "em breve".

O CEO da Federação de Atletismo dos EUA também se pronunciou. Em nota, disse que "Esta não é uma notícia que alguém queira ouvir, a qualquer momento, vinda de qualquer atleta. Nós não conhecemos os fatos e vamos esperar a USADA julgá-los de forma adequada".

Há algumas semanas, quando a velocista jamaicana Veronica Campbell-Brown, sua amiga, também caiu no doping, Gay disse que "Nós estamos sempre preocupados com o que entra no nosso sistema, o que entra no nosso corpo. Mas, ao mesmo tempo, erros acontecem". O norte-americano faz parte de uma campanha da USADA chamada "Minha vitória", em que ele diz que "Eu compito limpo porque eu realmente acredito no esporte limpo, e além disso, minha mãe me mataria. Estou apenas sendo honesto."

Principal rival de Usain Bolt nos 100 metros, Gay não informou qual substância foi detectada nos exames. Neste domingo, disse apenas que a substância detectada é proibida pela Agência Mundial Antidoping. Ele foi notificado pela agência norte-americana na sexta-feira. Mas ainda será submetido a análise da amostra B. O teste foi realizado no dia 16 de maio, fora de competições.

Em uma breve conversa por telefone, o americano garantiu que o doping não foi intencional. "Eu não tenho uma história de sabotagem. Eu, basicamente, confiei em pessoas que me decepcionaram", declarou, sem dar detalhes sobre a causa do teste positivo.

Tyson Gay era um dos atletas mais aguardados do Mundial de Moscou, no próximo mês. Ele detém o melhor tempo na temporada nos 100 metros, com 9s75, e teria a chance de superar o recordista mundial Usain Bolt na competição.

Gay, ex-recordista mundial e campeão mundial em 2007, vive grande fase no circuito após passar por problemas de lesão nos últimos anos. Além do melhor tempo do ano, ele tem ainda as outras duas melhores marcas, com 9s79 e 9s86. Em junho, venceu com folga as seletivas norte-americanas para o Mundial nos 100 e 200 metros.

Nas últimas temporadas, o velocista enfrentou lesões no tendão e na virilha. Passou ainda por uma cirurgia no quadril. Os problemas físicos atrapalharam sua preparação para os Jogos Olímpicos de Londres, quando não conseguiu passar do quarto lugar nos 100 metros.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoTyson Gaydoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.