ENTREVISTA - Melhor técnico do mundo inicia projeto de formação de ciclistas no Brasil

Simon Jones, consultor no Brasil e técnico da equipe da Austrália

Paulo Favero, estadão.com.br

23 de junho de 2012 | 07h04

SÃO PAULO - Simon Jones é o tipo de treinador necessário para qualquer país. Ele já conduziu a equipe britânica às medalhas olímpicas, depois iniciou um trabalho na Austrália e levou o time ao topo do mundo. Agora parte para uma nova empreitada, desta vez no Brasil.

Ele pode ser considerado um dos maiores especialistas do mundo no ciclismo. Conhece bem a realidade dos árduos treinamentos e sabe o que é preciso para fazer um time brilhar internacionalmente. Nesta conversa exclusiva, Jones contou como será o projeto que está iniciando no Brasil. Ele deve vir ao país em julho e, por causa de seu trabalho com os ciclistas australianos, só poderá retornar cerca de três a quatro vezes por ano. Mas este é apenas o começo de um projeto ambicioso, cuja meta é conseguir levar uma terceira nação ao primeiro mundo do esporte.

Qual sua expectativa para os Jogos Olímpicos?

Eu acredito que em Londres haverá uma batalha entre Austrália e Grã-Bretanha no ciclismo de pista. Essas duas equipes devem levar a maior parte das medalhas que estarão em disputa.

Você acredita em quebra de recordes mundiais no evento?

Acho que é possível. No feminino principalmente, com as provas de velocidade e de perseguição por equipes. Inclusive, a perseguição por equipes é um novo evento na Olimpíada e acho que podem chegar até a uma marca de 3min14s. No masculino, também na perseguição por equipes, um recorde mundial é possível, mas em uma margem mais próxima da atual marca, que é de 5min53s.

Como será o seu trabalho no país para os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016?

Temos um longo caminho até lá e, portanto, estou focado no curto prazo, que é compartilhar o meu conhecimentos com os outros treinadores do LiveWright. Meu papel é apoiar esses técnicos e ajudar a desenvolver sistemas e processos que ajudem no desempenho para o futuro.

Você acha que o Brasil poderá ter um campeão olímpico no ciclismo de pista?

Acredito que seja possível, a questão é quando. Não sei se poderia ser em 2016, é complicado, mas em 2020 é possível. Até lá o país terá tempo de construir um sistema que dará suporte aos atletas talentosos e aos treinadores. Isso requer grande quantidade de recursos e, só para se ter uma ideia, custou para a Austrália e Grã-Bretanha cerca de US$ 16 milhões por medalha de ouro. É um longo processo que envolve muitas partes interessadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.