Envolvidos voltam à Unesp e dizem não ver motivo para perder emprego

O fisiologista Pedro Balikian Júnior e os técnicos Jayme Netto Júnior e Inaldo Sena, envolvidos no caso de doping de cinco atletas, voltaram normalmente ao trabalho, anteontem, na Unesp (Universidade Estadual de São Paulo). Eles acreditam que serão mantidos em suas atividades na universidade em Presidente Prudente."Demissão por quê?", indagou Sena, em entrevista ao Estado. "A gente não achava que ia dar ?bode?, todo mundo achava isso (Sena, Balikian e Jayme). Estou sofrendo, tenho de esperar para ver o que vai ocorrer." Jayme Netto também não espera demissão, "porque os fatos não se relacionam com a atividade acadêmica". Arrependido, disse que acreditava que o medicamento receitado por Balikian era "uma forma de recuperar os atletas".Depois das férias prolongadas por causa da gripe suína, Balikian reassumiu o cargo de professor de Educação Física. Jayme Netto voltou a trabalhar como fisioterapeuta. Sena está de novo treinando cerca de 30 atletas na escolinha de atletismo da Secretaria Municipal de Esportes, em que entrou como funcionário concursado em 1994. Nesta semana a Unesp formará uma comissão para julgar o fisiologista e o fisioterapeuta num prazo que varia de 30 a 60 dias. Eles ministraram aos atletas eritropoietina (EPO), substância proibida. "As responsabilidades serão apuradas, mas a Unesp não quer fazer nenhum prejulgamento antes de a comissão apresentar o relatório", disse a assessoria de imprensa da universidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.