Equatoriana pode se despedir da SS

Uma das fortes competidoras da 77.ª edição da Corrida Internacional de São Silvestre, a ser disputada nesta segunda-feira, em São Paulo, a equatoriana Martha Tenório, que vai correr a prova pela sétima vez na sua carreira, deixou o frio de Colorado, nos Estados Unidos, onde estava morando, para treinar na altitude de 2.800 de Quito especialmente para a SS. E deixou claro sua intenção. "Vou estar no pódio", disse Martha, de 34 anos, 1,54 m e 42 quilos, que pode estar se despedindo do público de São Paulo porque tem planos de ser mãe. "Essa pode ser a minha última São Silvestre e se ganhar eu iria feliz", afirmou a equatoriana que conhece o percurso muito bem - acha os últimos 3 quilômetros e a subida da Brigadeiro Luiz Antônio o pior trecho - e pretende baixar o seu melhor tempo na prova, obtido em 1998, de 31min45s. Martha é bicampeã da prova - venceu em 1987 e, dez anos depois, em 1997 - , três vice-campeonatos e um sexto lugar, "um resultado horrível", segundo definiu, justamente o do ano passado e que agora pretende convencer. Sem cachê, a premiação, que aumentou de R$ 42 mil para R$ 110 mil este ano, passa a ser a principal motivação da corrida, mas Martha assegurou que não corre pensando no prêmio e sim no pódio. O orçamento da São Silvestre este ano, segundo o diretor-geral da prova, Victor Malzoni Jr., será de R$ 550 mil. Não há cachês, nem para atletas estrangeiros, nem para brasileiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.