Abelardo Mendes Jr./rededoesporte.gov.br
Abelardo Mendes Jr./rededoesporte.gov.br

Equipe de Hugo Calderano perde e fica com o vice do Alemão de tênis de mesa

Brasileiro, que foi campeão da Bundesliga no ano passado, jogou duas partidas neste domingo e foi superado em ambos os confrontos

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2020 | 15h34

O Liebherr Ochsenhausen, equipe do mesa-tenista brasileiro Hugo Calderano, sexto colocado do ranking mundial, foi derrotado neste domingo pelo Saarbrücken, por 3 a 1, em Frankfurt, e ficou com o vice-campeonato da Bundesliga, a liga alemã de tênis de mesa.

Calderano, que foi campeão da Bundesliga no ano passado, jogou duas partidas neste domingo e foi superado em ambos os confrontos. Perdeu para o alemão Patrick Franziska, por 3 a 2 (11/3, 6/11, 12/10, 9/11 e 12/10), e para o chinês Shang Kun, por 3 a 0 (11/9, 11/6 e 11/6).

O francês Simon Gauzy e o polonês Jakub Dyjas também representaram o Ochsenhausen na decisão. O primeiro foi derrotado por Shang Kun, algoz de Calderano, e o segundo triunfou sobre o esloveno Darko Jorgic.

A final foi uma reedição da temporada passada. Na ocasião, a equipe do brasileiro, melhor não-asiático no ranking mundial, levou a melhor e foi campeã após 16 anos de jejum. A seca de títulos foi encerrada, desta vez, pelo Saarbrücken, que não levantava o troféu da Bundesliga desde 1989.

"O Saarbrücken foi melhor na decisão e mereceu o título", reconheceu o Calderano, após a final. Jean-René, treinador do brasileiro e consultor técnico da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM), pontuou que a falta de ritmo pode ter influenciado no desempenho.

"A estratégia era bem clara, com uma forte preparação física nos primeiros dias. Mesmo assim, é complicado manter a parte técnica. Ainda há falta de ritmo, em fundamentos como o saque e recepção, que foram percebidos no início da semifinal", avaliou.

Um rigoroso protocolo foi estabelecido pela organização do torneio para a realização dos jogos finais, com uma série de ajustes, inclusive no sistema de disputa dos confrontos. Ao invés de jogarem uma melhor de três para definirem os finalistas e o campeão, foi realizado um único confronto, sem partidas de duplas. Não houve cumprimento entre os atletas durante os duelos, nem troca de lado na mesa e as partidas foram realizadas sem a presença de público no ginásio.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.