Equipes chegam invictas à grande final

A final do Campeonato Mundial feminino de vôlei do Japão será um prêmio para as duas melhores campanhas da competição. Brasil e Rússia chegam à decisão invictas e farão uma revanche do Mundial de 2006, quando a equipe europeia frustrou as expectativas do primeiro título inédito da seleção brasileira.

Valéria Zukeran, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2010 | 00h00

A Rússia se garantiu na final após vencer os EUA por 3 a 1, numa partida em que o time não apresentou seu melhor vôlei. Até mesmo os tradicionalmente diplomáticos jornalistas japoneses não conseguiram deixar de perguntar se as russas não haviam "dormido" no segundo set.

A capitã Tatiana Kosheleva revelou que o time venceu sem passar por maiores apuros graças ao técnico Vladimir Kuzyutkin. "Foi um jogo difícil, fizemos o melhor. Os Estados Unidos são um time forte, mas nós seguimos as estratégias de nosso técnico e, por isso, vencemos."

Kuzyutkin admitiu que sua equipe não teve um desempenho brilhante. "Hoje foi mais uma partida de força mental do que de técnica de jogo", avaliou. O treinador também revelou sua tática contra o Brasil. "Como nos últimos dez jogos, vamos manter nossa estratégia, focados na vitória."

A melhor jogadora russa é uma velha conhecida dos brasileiros: a bela e temível Ekaterina Gamova. Mesmo não jogando tão bem quanto de costume, a oposto marcou 22 pontos contra os Estados Unidos, apenas um a menos do que a sua colega de posição no time adversário, Destinee Hooker, com 23. Outras jogadoras que merecem atenção são a capitã Kosheleva, líder nas estatísticas de ataque, com 58,22% de aproveitamento, e a líbero Svetlana Kryuchkova, a segunda melhor do Mundial na função.

Um detalhe que deverá fazer a diferença na decisão será o preparo físico. Em 16 dias, as atletas dos dois melhores times disputaram a maratona de dez jogos. O Brasil leva alguma desvantagem no quesito, não pela qualidade do treino, mas porque jogou um set a mais na semifinal (praticamente uma hora a mais de jogo) e terá menos tempo de descanso do que as rivais.

Outros jogos. Japão e Estados Unidos fazem a disputa do terceiro lugar na preliminar do jogo do Brasil, às 6 horas de Brasília. No Ginásio Metropolitano, Itália e Turquia jogam pela quinta colocação, enquanto Sérvia e Alemanha lutarão pela sétima posição no Mundial, às 5 horas e 2h30 de Brasília, respectivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.