Equipes da Fórmula 1 antecipam mudanças nos carros

A Ferrari espera, com isso, reduzir sua dificuldade no treino de classificação

LIVIO ORICCHIO - Enviado especial, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2011 | 00h00

XANGAI - Muitas ultrapassagens, pneus que se degradam rápido, variação constante de colocações nas corridas, definição dos classificados apenas nas últimas voltas. As mudanças foram significativas na Fórmula 1 neste ano, de acordo com o exposto nas provas da Austrália e Malásia. E dentre as transformações está também o cronograma das equipes.

Tradicionalmente, a primeira etapa na Europa representa quase o reinício do campeonato, tantas são as modificações introduzidas nos carros, a fim de torná-los mais velozes e confiáveis. Mas este ano também esse aspecto se alterou: "Vamos antecipar para o GP da China parte dos avanços programados para Istambul", afirmou Stefano Domenicali, da Ferrari.

Nesta quinta-feira, às 23 horas de Brasília, os carros de Ferrari, McLaren e Renault, principalmente, começam os treinos livres da terceira etapa do Mundial distintos de como terminaram o GP da Malásia. Assoalho, aerofólios, posicionamento dos canos de escape, defletores, todos elementos do conjunto aerodinâmico, estão sendo revistos numa velocidade nunca antes verificada. "A proibição dos testes transformou as sextas-feiras em laboratórios de experimentos das novas soluções", explica o diretor esportivo da Renault, Steve Nielsen.

Com os esperados avanços no modelo 150º Italia, a Ferrari espera reduzir sua dificuldade no treino de classificação. "Foram dois mundos distintos para nós, o da definição do grid, sábado, onde estávamos muito atrás, e o da corrida, em que nosso ritmo não era tão diferente de Red Bull e McLaren", disse Domenicali. O objetivo de todos é um só: não deixar o cada vez melhor Sebastian Vettel, da eficiente Red Bull, ampliar sua vantagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.